Seca: Rega no perímetro do Roxo vai utilizar unicamente água do Alqueva este ano

| País
Porto Canal com Lusa

Aljustrel, Beja, 21 jan 2022 (Lusa) -- A rega no perímetro do Roxo, no concelho de Aljustrel (Beja), vai ser este ano assegurada unicamente com água do Alqueva, implicando um custo "acima de um milhão de euros", revelou o presidente da associação de regantes.

"Se não chover, toda a água" para a agricultura neste perímetro, a partir da barragem do Roxo, "virá de Alqueva", disse à agência Lusa o mesmo responsável.

Segundo António Parreira, presidente da Associação de Beneficiários do Roxo (ABRoxo), a albufeira dispõe, atualmente, de um volume útil "de cerca de seis milhões de metros cúbicos", o que corresponde a apenas 6,6% da sua capacidade total.

Só que, este ano, o perímetro do Roxo, onde imperam as culturas de olival e amendoal, mas também milho e citrinos, vai necessitar de "36 milhões de metros cúbicos de água, contando já com as perdas", para regar, explicou.

"Não estamos a contar com o armazenamento da albufeira, porque o que lá existe é uma coisa ínfima, nem chega para as perdas", esclareceu António Parreira.

Para o dirigente da associação, que tem sede em São João de Negrilhos (Aljustrel), é "positivo" o facto de a albufeira do Roxo estar ligada ao Alqueva e, assim, ter sempre a garantia de água.

"Mas essa água tem um preço e é um encargo que os agricultores têm de suportar", o que, juntamente com a "subida dos combustíveis, da energia, dos adubos e dos fitofármacos, é muito preocupante", observou.

Quando preparou o orçamento para este ano, devido ao nível de armazenamento da barragem, a ABRoxo teve "de prever que toda a água" que seria consumida pela agricultura viria de Alqueva.

Isso "representa um custo acima de um milhão de euros", que terá de ser imputado aos agricultores, reconheceu o dirigente, acrescentando que, "se tem chovido, não haveria este custo".

Para o presidente da ABRoxo, esta realidade é fruto das alterações climáticas, que é preciso combater através de "mais armazenamento de água", e evitar o que acontece na bacia do Sado, que apresenta menor disponibilidade de água em Portugal e onde "70% da água vai para o mar".

"Temos de fazer urgentemente um programa para armazenar mais água, com novas albufeiras. Todos queremos proteger o ambiente e combater as alterações climáticas e, para isso, o primeiro passo é armazenar água, porque sem água não há vida", defendeu.

Mais de metade do território de Portugal continental (57,7%) estava, no final de dezembro, em situação de seca fraca, tendo-se registado uma ligeira diminuição na classe de seca severa e um aumento na seca moderada, segundo dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o índice meteorológico de seca (PDSI) do IPMA, no final de dezembro, mais de metade do território (57,7%) estava em situação de seca fraca, 27,3% em seca moderada, 8,7% em seca severa e 6,3% normal.

Os dados indicam também que Portugal continental se mantinha, no final de dezembro, em situação de seca meteorológica em quase todo o território. A seca meteorológica está diretamente ligada ao défice de precipitação, quando ocorre precipitação abaixo do que é normal.

O Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH) divulgou dados no início de janeiro dados que indicam que as bacias do Barlavento algarvio (com 14,3%) e do Lima (com 22,2%) são as que apresentavam, no final do ano, a menor quantidade de água armazenada.

Com menor disponibilidade de água estavam também as bacias do Sado (41,6%), Mira (41,9%), Cávado (47,3%), Ave (52,8%), Arade (54,4%) e Tejo (56,6%).

 

CYMP (DD) // RRL

Lusa/Fim

+ notícias: País

Marcelo Rebelo de Sousa confirma que não se vai encontrar com Bolsonaro

Marcelo Rebelo de Sousa confirmou, este domingo, que não se vai encontrar na segunda-feira com o homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, como chegou a estar inicialmente previsto.

Hospitais de Braga e Aveiro voltam a encerrar Urgências de Obstetrícia 

As urgências de obstetrícia nos hospitais de Braga e Aveiro vão estar encerradas no domingo - Braga todo o dia e Aveiro só a partir do final do dia. O encerramento acontece devido à falta de médicos, sendo que no mês de julho, um total de 13 turnos não terão a urgência assegurada. 

"Nunca mais voo na TAP!" - As imagens do caos no Aeroporto de Lisboa

Turistas desesperam perante o caos no aeroporto de Lisboa. As imagens são de confusão e palavras de ordem contra a companhia aérea nacional, que é protagonista da maioria dos cancelamentos.