Mais de 260 mil inscritos até às 12:00 para voto antecipado em mobilidade

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 jan 2022 (Lusa) -- Mais de 260 mil pessoas inscreveram-se até às 12:00 de hoje para votar antecipadamente em mobilidade no domingo nas eleições legislativas, segundo dados do Ministério da Administração Interna (MAI) enviados à Lusa.

"O número de cidadãos eleitores que se inscreveram para votar no voto em mobilidade, até às 12:00 desta quinta-feira, é de 260.183", precisam os dados do MAI.

O Ministério da Administração Interna avança que, entre domingo e quarta-feira, tinham-se inscrito 247.047 cidadãos eleitores.

Os eleitores recenseados no território nacional podem inscrever-se até hoje para votar antecipadamente em mobilidade no domingo, uma semana antes das eleições legislativas de 30 de janeiro.

Nesta modalidade, os eleitores inscrevem-se num local de voto à sua escolha num município do continente ou das regiões autónomas dos Açores e da Madeira, através de meio eletrónico em www.votoantecipado.mai.gov.pt ou por correio enviado para a Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna.

Na quarta-feira, o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna considerou que o número de eleitores inscritos para votarem antecipadamente em mobilidade a 23 de janeiro está "muito aquém das estimativas da administração eleitoral".

Antero Luís afirmou que foi desenhada uma logística para que cerca de um milhão de portugueses pudesse votar antecipadamente para as eleições legislativas em 23 de janeiro.

Nas anteriores legislativas, em 2019, mais de 50.000 eleitores votaram antecipadamente, uma semana antes das eleições, enquanto nas presidenciais de 2021, já durante a pandemia de covid-19, 197.903 portugueses exerceram o seu direito uma semana antes da data do ato eleitoral.

CMP // ACL

Lusa/fim

+ notícias: Política

Manuel Pizarro acusa Montenegro de "traição" na questão da regionalização 

Referendo à regionalização em risco? O eurodeputado do PS Manuel Pizarro acusa Luís Montenegro, líder do PSD, de "traição" por não apoiar um referendo em 2024.

Já Álvaro Amaro, eurodeputado do PSD, responsabiliza o Partido Socialista pelos atrasos na discussão da regionalização.

Chumbada moção de censura do Chega. PSD e IL abstêm-se

A moção de censura ao Governo apresentada pelo Chega foi hoje chumbada no parlamento, com votos contra de PS, PCP, BE, PAN e Livre e abstenção de PSD e IL, tendo o proponente ficado isolado no voto a favor.

Regionalização: PSD divide-se perante a posição de Montenegro 

No encerramento do 40º Congresso do PSD, Luís Montenegro fechou a porta do partido a um referendo à regionalização em 2024, como defende António Costa, e sublinhou que o avanço seria "uma irresponsabilidade e um erro". A posição do novo líder do Partido Social Democrata está a dividir a opinião de diversos autarcas.