Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Ucrânia: Rússia desloca forças para exercícios conjuntos na Bielorrússia

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Moscovo, 18 jan 2022 (Lusa) -- A Rússia deslocou tropas do extremo leste do país para a Bielorrússia, onde vão participar em exercícios militares, indicaram hoje responsáveis oficiais, o que implica uma nova concentração de tropas junto das fronteiras ucranianas.

O vice-ministro da Defesa, Alexander Fomin, indicou que estas manobras se destinam a fornecer uma resposta conjunta a potenciais ameaças externas por parte dos dois aliados, que mantêm estreitas relações políticas, económicas e militares.

Fomin não especificou a quantidade de tropas e armamento envolvidos nos exercícios. Responsáveis ucranianos têm indicado que a Rússia poderá lançar um eventual ataque em várias direções, incluindo a partir de território bielorrusso.

Esta decisão militar deverá levar ao reforço dos já cerca de 100.000 soldados russos que os ocidentais indicam estarem estacionados perto das fronteiras ucranianas, e que consideram o prelúdio para uma invasão.

A Rússia tem negado qualquer intenção de atacar o seu vizinho ex-soviético, mas pede garantias do ocidente de que a NATO não prosseguirá a expansão para outros países ex-soviéticos, em particular a Ucrânia e Geórgia, nem colocará as suas tropas e armamento nesses territórios.

Washington e os seus aliados rejeitaram firmemente os pedidos russos no decurso das negociações Rússia-EUA em Genebra na semana passada, e no encontro NATO-Rússia em Bruxelas.

Fomin disse que estas manobras, que incluem um número não especificado de tropas provenientes do Distrito Militar do Leste, que engloba a Sibéria oriental e o extremo-oriente russo, refletem a necessidade de concentrar na prática a quase totalidade do potencial militar do país nas regiões ocidentais da Rússia.

"Pode surgir uma situação em que as forças e meios de grupos ou forças regionais seja insuficiente para garantir uma sólida segurança da Federação [da Rússia], e devemos estar preparados para a reforçar", indicou Fomin num encontro com adidos militares estrangeiros.

"Chegámos a uma posição comum com a Bielorrússia sobre a necessidade de envolver todo o potencial militar para uma defesa conjunta", adiantou.

O autoritário Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, indicou que as manobras conjuntas vão decorrer junto à fronteira ocidental do país e ainda no sul, a região fronteiriça com a Ucrânia.

O líder de Minsk tem procurado um crescente apoio do Kremlin na sequência das pesadas sanções ocidentais, aplicadas após a musculada repressão dos protestos internos.

PCR // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

NATO: Ministra da Defesa acredita que oposição turca a adesão de Suécia e Finlândia será ultrapassada

Bruxelas, 17 mai 2022 (Lusa) -- A ministra da Defesa, Helena Carreiras, disse hoje acreditar que os obstáculos colocados pela Turquia à adesão de Suécia e Finlândia à NATO serão ultrapassados, afirmando que essa é a convicção geral entre todos os Estados-membros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.