Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

FAO pede ajuda urgente para agricultores e pastores do Corno de África afetados pela seca

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Roma, 17 jan 2022 (Lusa) -- Mais de 1,5 milhões de agricultores e pastores afetados pela seca no Corno de África precisam de "assistência urgente" para evitar "uma crise de fome", alertou hoje a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

A agência com sede em Roma estima que são necessários 138 milhões de dólares (120 milhões de euros) em "financiamento urgente" para uma região "já propensa à insegurança alimentar" e onde, após três anos de chuvas fracas, uma praga da gafanhotos em 2020-21, e os efeitos da pandemia de covid-19 exauriram a capacidade de resposta das comunidades rurais até ao limite, minando a respetiva produtividade agrícola.

Na Etiópia, Quénia e Somália, os países mais afetados, as projeções indicam que cerca de 25,3 milhões de pessoas irão enfrentar uma grave crise de insegurança alimentar até meados de 2022, situação que, a concretizar-se, colocará o Corno de África entre as regiões do mundo mais frágeis do ponto de vista alimentar, alertou hoje a FAO através de um comunicado.

"Sabemos por experiência que apoiar a agricultura em momentos como este tem um enorme impacto: quando agimos rapidamente e no momento certo para conseguir água, sementes, rações, cuidados veterinários e o dinheiro necessário às famílias rurais em risco, as catástrofes da fome podem ser evitadas", afirmou Rein Paulsen, diretor para as situações de Emergência e Resiliência da FAO, citado no comunicado.

"O momento certo é agora. Precisamos urgentemente de apoiar os pastores e as explorações agrícolas no Corno de África, imediatamente, porque o ciclo das estações não espera por ninguém", acrescentou.

Em 2011, uma grave seca contribuiu para um surto de fome na Somália que matou 260.000 pessoas, a maioria das quais antes de a declaração oficial de fome ter sido produzida. Em contrapartida, em 2017, a fome potencial associada à seca pôde ser evitada graças a um esforço internacional concertado que permitiu a ação atempada, tendo sido dada prioridade à ajuda às comunidades rurais.

"O relógio já está a contar", advertiu Paulsen, observando que "a escassez que acaba de começar caracteriza-se por oportunidades limitadas de pastoreio para as famílias de pastores, e o gado necessitará de apoio nutricional e veterinário".

"As famílias dependentes da agricultura, por outro lado, precisam de ter sementes e outros mantimentos à mão para iniciar a época de plantio", acrescentou.

O plano de resposta à seca da FAO visa apoiar 1,5 milhões de pessoas das populações rurais mais vulneráveis da Etiópia, Quénia e Somália.

Se fosse totalmente financiado, produziria até 90 milhões de litros de leite e até 40.000 toneladas de culturas alimentares básicas na primeira metade de 2022, colocando mais de um milhão de pessoas em segurança durante pelo menos seis meses.

APL // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras