Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Ministro francês das Finanças considera "obsoletas" regras da divida pública da UE

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Paris, 16 jan 2022 (Lusa) -- O ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, considerou hoje "obsoletas" as regras da União Europeia (UE) que regem a dívida pública e o défice orçamental dos Estados-membros.

O Pacto de Estabilidade e Crescimento, "como um todo, não é obsoleto, mas a regra da dívida pública é", argumentou Le Maire numa entrevista com sete órgãos europeus de comunicação, duas semanas depois de a França ter assumido a presidência do Conselho da UE, em 1 de janeiro.

A dívida pública dos Estados-membros não deve exceder 60% do produto interno bruto (PIB) e o défice orçamental não deve ultrapassar os 3% do produto.

"Antes da crise, havia uma diferença de quase 40 pontos percentuais do PIB entre os membros mais e os menos endividados da zona euro. O fosso é agora de mais de 100%", sublinhou Bruno Le Maire.

"Há várias propostas em cima da mesa" para reformar o Pacto, nomeadamente a de "calendários e objetivos diferentes para cada país", explicou o ministro.

"Outros avançaram o conceito (...) de que deveria caber aos Estados-membros definir as etapas e as mudanças necessárias nas suas políticas económicas, o que lhes permitiria voltar a ter finanças sólidas", uma ideia "interessante" para Le Maire.

Em última análise, será necessário "encontrar o equilíbrio certo entre os investimentos necessários para enfrentar os desafios do século XXI e a necessidade de regressar à solidez das finanças públicas".

Bruno Le Maire disse ainda que espera "ver-se livre" de "todas as restrições sanitárias" ligadas à pandemia de covid-19, até ao final do ano.

Face à propagação da variante ómicron em França, o governo francês reforçou as restrições sanitárias no final de dezembro, nomeadamente encorajando a utilização do teletrabalho, pelo menos, três dias por semana.

APL // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.