Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Tunísia palco de manifestações contra Presidente no aniversário da queda da ditadura

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Tunes, 14 jan 2022 (Lusa) -- Centenas de pessoas enfrentaram hoje em Tunes uma forte presença policial e contrariaram a proibição de manifestações contra o Presidente tunisino, Kais Saied, por ocasião do 11.º aniversário da queda do regime de Zine el-Abidine Ben Ali.

"Abaixo o golpe, o povo quer o fim do golpe", gritaram os manifestantes que percorreram a avenida Mohamed V, no centro de Tunes, contrariando a proibição de manifestações devido às restrições impostas pelo Governo no quadro da pandemia de covid-19.

Segundo jornalistas da agência noticiosa France-Presse (AFP), o número de manifestantes aumentou gradualmente para cerca de mil, antes de se dispersarem em vários grupos.

A polícia montou um forte dispositivo de segurança, com barreiras metálicas, camiões militares e unidades antimotim, na tentativa de impedir que os manifestantes acedessem à principal artéria da capital, a Avenida Habib Bourguiba.

Os manifestantes que conseguiram romper um cordão policial foram depois dispersos pela polícia, que usou granadas de gás lacrimogéneo e jatos de água suja. 

As forças de segurança prenderam vários manifestantes durante cenas de rara violência no centro de Tunes, que já não se verificavam desde a queda de Ben Ali, a 14 de janeiro de 2011, em plena 'Primavera Árabe'.

Cerca de meia centena de manifestantes conseguiram aproximar-se dos edifícios onde está instalado o Ministério do Interior, numa rua adjacente à Avenida Habib Bourguiba.

"Você trabalha para [o Presidente egípcio, Abdel Fattah] al-Sisi e os Emirados Árabes Unidos", disse uma mulher a um agente da polícia.

Al-Sisi e os Emirados são acusados pelos detratores de Saied de terem apoiado o golpe de 25 de julho de 2021, quando o novo Presidente tunisino assumiu plenos poderes no país.

Nesse dia, após declarar o estado de exceção a 25 de julho, que incluiu também a exoneração do primeiro-ministro Hichem Mechichi, o Presidente tunisino suspendeu a quase totalidade da Constituição de 2014 e muniu-se de plenos poderes para "recuperar a paz social". O Parlamento foi também suspenso.

Saied e outros responsáveis políticos tunisinos alegam que as medidas constituem uma "retificação" à revolução de 2011, que pôs termo a mais de duas décadas do regime ditatorial de Ben Ali. A oposição, por seu lado, considera a decisão de Saied um "golpe de Estado".

  Apesar da proibição decretada pelas autoridades devido ao forte ressurgimento da epidemia de covid-19, vários partidos políticos, incluindo a formação de inspiração islâmica Ennahdha, anunciaram a continuação, hoje, de ações de protesto contra o "golpe de Estado" de Saied, que acabou também com o feriado para a celebração do dia em que o regime de Ben Ali terminou formalmente.

"A revolução foi apagada do calendário pelo 'diktat' de um ditador. Não podemos reescrever a História como queremos. Estamos aqui para defender as instituições da República", afirmou à AFP a ativista de direitos humanos Sihem Bensedrine, denunciando também a proibição de aglomerações como "uma tática policial e de segurança para roubar aos tunisinos o direito de protestar". 

"Foi uma liberdade duramente adquirida. O povo que derrubou uma ditadura que durou 23 anos não vai deixar que seja restabelecida uma ditadura", acrescentou.

Os novos protestos contra o Presidente tunisino surgem numa altura em que as tensões entre o Ennahdha, que detinha a maioria no Parlamento, e Saied, já em si elevadas desde 25 de julho, se intensificaram após a prisão, a 31 de dezembro, de um dos "homens fortes" do partido de inspiração islâmica, o ex-ministro Noureddine Bhiri.

A revolução tunisina, que deu início às revoltas da 'Primavera Árabe' que abalaram vários países do Oriente Médio, começou a 17 de dezembro de 2010, dia em que um vendedor ambulante que se disse oprimido pela pobreza e humilhações da polícia, Mohamed Bouazizi, se imolou pelo fogo.

 

JSD // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Rússia deixa de fornecer eletricidade à Finlândia a partir de sábado

Helsínquia, 13 mai 2022 (Lusa) -- A Rússia vai suspender as entregas de eletricidade para a Finlândia a partir de sábado, devido a contas não pagas, anunciou hoje o fornecedor RAO Nordic Oy, que detém a empresa russa InterRAO.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.