Info

Autarcas da Maia julgados de novo no caso Tecmaia e MP pede perda de mandatos

Autarcas da Maia julgados de novo no caso Tecmaia e MP pede perda de mandatos
| Norte
Porto Canal com Lusa

O Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) do Porto determinou um segundo julgamento do processo Tecmaia, visando o presidente da Câmara da Maia e dois outros réus e que pode culminar em perdas de mandato, segundo um despacho hoje conhecido.

De acordo com um despacho do juiz do TAF-Porto Marcelo Mendonça, proferido no dia 12 e hoje consultado pela agência Lusa, esta nova ação contra o presidente Silva Tiago e outros é intentada pelo Ministério Público.

A anterior, que foi desencadeada pelo partido político Juntos pelo Povo, culminou em 2020 com a decisão do Supremo Tribunal Administrativo (STA) de revogar perdas de mandato que foram determinadas noutras instâncias.

O caso Tecmaia relaciona-se com a assunção pela autarquia de uma dívida de 1,4 milhões de euros, que o Fisco imputara ao presidente da câmara ao seu antecessor e atual presidente da Assembleia Municipal, Bragança Fernandes, bem como ao vereador Mário Neves, enquanto ex-administradores daquela empresa municipal, entretanto extinta.

Num requerimento que mereceu despacho favorável do juiz do TAF-Porto Marcelo Mendonça, que a agência Lusa também consultou, o procurador Manuel Eduardo Santa promoveu que seja declarada a perda dos atuais mandatos de Silva Tiago, do vereador Mário Neves e de Bragança Fernandes porque se envolveram num procedimento administrativo "que cominou no pagamento de dívidas pessoais".

Trata-se, segundo o procurador, "de uma atuação de tal modo desconforme aos princípios e normas" legais e que "impede a sua permanência nos presentes cargos autárquicos".

Os réus reagiram considerando que a lide devia ser extinta "por inutilidade superveniente", uma vez que, na prática, tratar-se-ia de julgar os mesmos factos que levaram à decisão do STA face à queixa do Juntos pelo Povo.

No seu despacho de 12 de janeiro, o juiz veio, contudo, a dar razão ao procurador.

"A decisão tomada noutro processo judicial, ainda que transitada em julgado e adoptada pelo mais alto tribunal da hierarquia da jurisdição administrativa, não determina, sem mais, a inutilidade do presente processo, pois que a força vinculante desse acórdão e do caso julgado se contém ao respetivo processo, sem que essa obrigatoriedade concreta contamine a presente demanda", considerou o magistrado Marcelo Mendonça.

Entre outros detalhes que levaram o juiz a concluir que "o paralelismo dos casos não é razão que permita afastar a sindicância judicial ao presente caso concreto", estão alguns contornos, "plenamente distintos" e que foram alvo de acções intentadas por entidades distintas: a primeiro de um partido político e esta do Ministério Público.

"Ante o exposto, mantém-se a utilidade da presente lide, que, assim, prosseguirá os seus termos subsequentes", determina o juiz.

+ notícias: Norte

Incêndio Florestal em Vale de Cambra mobiliza 154 operacionais e dois aviões

Um incêndio florestal em Arões, no concelho de Vale de Cambra, está esta tarde a ser combatido por 154 homens e dois meios aéreos, revelou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro.

Trabalhadores de limpeza hospitalar do São João em greve por melhores condições de segurança, de saúde e fim da discriminação 

Os trabalhadores de limpeza do hospitalar do São João encontram-se em greve durante a manhã desta sexta-feira, frente ao Hospital São João, exigindo melhores condições de segurança, de saúde e fim da discriminação entre os trabalhadores de limpeza e trabalhadores do hospital. Em declarações ao Porto Canal, Eduardo Teixeira, Coordenador Regional do Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Atividades Diversas do Porto (STAD), afirmou, em declarações ao Porto Canal, que "estes trabalhadores das limpezas merecem respeito".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.