Incêndio consome prédio de dois pisos em Gaia e bombeiros evitam alastramento

| Norte
Porto Canal com Lusa

Um prédio de dois pisos em Vila Nova de Gaia foi hoje “totalmente afetado” por um incêndio, mas os bombeiros evitaram que alastrasse a edifícios contíguos e não registaram quaisquer feridos, disse o comandante da corporação de Coimbrões.

Luís Araújo acrescentou que os locatários foram todos retirados e que uma segunda ronda pelo prédio, após as chamas terem sido dominadas, permitiu concluir que ninguém restava no prédio.

O incêndio deflagrou às 08:55 no número 364 da rua Luís de Camões, na freguesia urbana de Santa Marinha.

As causas do incêndio não foram adiantadas.

+ notícias: Norte

"É um verdadeiro inferno." Autarca da Guarda faz pedido de ajuda

Em declarações ao Porto Canal, o presidente da Câmara municipal da Guarda descreve o incêndio a lavrar no concelho como “um verdadeiro inferno” e revela que já foram evacuadas “centenas de pessoas" das aldeias. Sérgio Costa diz ainda que o que está a acontecer "é uma verdadeira desgraça", que as chamadas estão "totalmente desgovernadas" e faz um apelo para que sejam disponibilizados mais meios de combate ao fogo.

"Isto não é a Liga Portugal." Ingleses reagem com ironia à expulsão de Darwin após agressão de adversário

Darwin Nuñez foi expulso, este domingo, durante o encontro entre o Liverpool e o Crystal Palace. O ex-jogador do Benfica agrediu Joachim Andersen com uma cabeçada na cara e o árbitro da partida expulsou o avançado uruguaio.

António Sarmento, primeiro vacinado contra a COVID-19 em Portugal, deixa direção do serviço de Infecciologia do Hospital de São João

António Sarmento, o primeiro vacinado contra a COVID-19 em Portugal, numa cerimónia no final de 2020 que marcou o início do maior plano logístico jamais implementado no país, retirou-se da direção de serviço de Infecciologia do Hospital de São João, que liderava há 16 anos.

Para o agora ex-diretor, “ser médico é quase como no amor.” É preciso alimentar o gosto. E foi a paixão pela atividade clínica que o manteve 16 anos na liderança da equipa. “Não deixei isto por cansaço nem por falta de saúde, e a intenção não é reformar-me”, garante.

Embora tenha abandonado oficialmente o cargo no dia 15 de julho, para ser rendido no lugar por Maria de Lurdes Santos, diz querer continuar a passar nos corredores. “É evidente que vou continuar a ser médico. Tenho mais três anos para me manter no hospital.”