Livraria Lello assinala os 116 anos com traduções de "Os Lusíadas" e "Mensagem" em árabe  

| Norte
Porto Canal

A Livaria Lello na cidade do Porto celebra esta quinta-feira 116 anos e, para assinalar este aniversário vai oferecer aos primeiros 116 visitantes "um exemplar destas primeiras duas edições de "Os Lusíadas" e a "Mensagem" em árabe", disse o Diretor Criativo da Livraria Lello, Hugo Cardoso, ao Porto Canal.

O Diretor Criativo da Livraria referiu ainda ao Porto Canal que "está a ser um aniversário especial, porque o estão também a celebar na Expo Dubai", o que é muito importante para a internacionalização da Livraria. 

O Porto Canal interrogou Hugo Cardoso acerca da escolha destas duas obras e, o Diretor Criativo justificou "como sendo as principais obras poéticas portuguesas".

Além disso, alguns visitantes confidenciaram que se deslocaram cedo para conseguirem alcançar os primeiros lugares na esperança de receberem os exemplares que irão oferecer aos primeiros 116 visitantes.

+ notícias: Norte

"É um verdadeiro inferno." Autarca da Guarda faz pedido de ajuda

Em declarações ao Porto Canal, o presidente da Câmara municipal da Guarda descreve o incêndio a lavrar no concelho como “um verdadeiro inferno” e revela que já foram evacuadas “centenas de pessoas" das aldeias. Sérgio Costa diz ainda que o que está a acontecer "é uma verdadeira desgraça", que as chamadas estão "totalmente desgovernadas" e faz um apelo para que sejam disponibilizados mais meios de combate ao fogo.

"Isto não é a Liga Portugal." Ingleses reagem com ironia à expulsão de Darwin após agressão de adversário

Darwin Nuñez foi expulso, este domingo, durante o encontro entre o Liverpool e o Crystal Palace. O ex-jogador do Benfica agrediu Joachim Andersen com uma cabeçada na cara e o árbitro da partida expulsou o avançado uruguaio.

António Sarmento, primeiro vacinado contra a COVID-19 em Portugal, deixa direção do serviço de Infecciologia do Hospital de São João

António Sarmento, o primeiro vacinado contra a COVID-19 em Portugal, numa cerimónia no final de 2020 que marcou o início do maior plano logístico jamais implementado no país, retirou-se da direção de serviço de Infecciologia do Hospital de São João, que liderava há 16 anos.

Para o agora ex-diretor, “ser médico é quase como no amor.” É preciso alimentar o gosto. E foi a paixão pela atividade clínica que o manteve 16 anos na liderança da equipa. “Não deixei isto por cansaço nem por falta de saúde, e a intenção não é reformar-me”, garante.

Embora tenha abandonado oficialmente o cargo no dia 15 de julho, para ser rendido no lugar por Maria de Lurdes Santos, diz querer continuar a passar nos corredores. “É evidente que vou continuar a ser médico. Tenho mais três anos para me manter no hospital.”