Covid-19: Hospitais de Lisboa têm equilibrado atividade normal com resposta à pandemia

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 jan 2022 (Lusa) -- A ministra da Saúde afirmou hoje que os hospitais de Lisboa e Vale do Tejo, a região com maior pressão devido à pandemia, têm equilibrado a atividade programada com a resposta aos doentes de covid-19.

"Até agora, na região de Lisboa e Vale do Tejo, que é a que tem mais pressão, estamos a conseguir garantir algum equilíbrio entre a atividade assistencial normal e a resposta à covid-19", adiantou Marta Temido, após uma reunião no hospital de Vila Franca de Xira.

Segundo a governante, a região de Lisboa e Vale do Tejo tem cerca de 700 doentes internados em enfermaria por covid-19, quando há um ano eram quase 3.000.

"São duas realidades muito distintas. Embora haja pressão, é uma pressão muito diferente", salientou Marta Temido, ao avançar ainda que, dos 15.500 doentes internados em todos os hospitais do país, 1.564 são por covid-19, dos quais 44 com menos de 18 anos, o que representa 2,8%.

A ministra referiu ainda que o Hospital de Vila Franca de Xira é um dos que "tem sido mais pressionado em todo o país".

"Sabemos que alguma fragilidade dos cuidados de saúde primários acaba por levar a que muitos doentes, que sentem a preocupação com o seu estado de saúde, venham aos serviços hospitalares. Isso traz uma pressão acrescida, temos de lidar com ela e nos preparar para enfrentá-la nos próximos dias", afirmou.

PC // HB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Marcelo de olhos postos no incêndio que devasta Ourém: “Vamos ver se é preciso reforçar esses meios ao longo da noite"

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou, esta sexta-feira, estar a acompanhar a evolução do incêndio em Ourém e referiu que "os meios que foram mobilizados eram aqueles que eram considerados os possíveis e adequados para uma situação que estava complicada". 

Proteção Civil assegura que incêndio na Serra da Estrela ainda necessita de "muito trabalho de vigilância e consolidação"

O incêndio na Serra da Estrela já foi dominado, mas no terreno ainda se encontram mais de 700 operacionais apoiados por duas centenas de veículos. Em declarações ao Porto Canal, o Segundo Comandante Regional da Proteção Civil do Centro, Miguel Teixeira, referiu que para já ainda é necessário "muito trabalho de vigilância e consolidação", porque "as condições meteorológicas ainda não estão completamente favoráveis para a extinção completa".

25% do Parque Natural da Serra da Estrela atingido por fogos desde julho

O Parque Natural da Serra da Estrela foi atingido, desde julho, por cinco grandes incêndios que afetaram 25% da sua área total e causaram efeitos negativos "muito significativos em locais de sensibilidade ecológica elevada", divulgou hoje o ICNF.