Covid-19: Governo não poupará horas extraordinárias na Saúde, secretário de Estado

| País
Porto Canal com Lusa

Caldas da Rainha, Leiria, 09 jan 2022 (Lusa) -- O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, garantiu hoje que o Governo não poupará nas horas extraordinárias dos profissionais de saúde para combater o absentismo no Serviço Nacional de Saúde que atribui ao cansaço.

"O Governo português não fará nenhuma poupança para que essas horas extraordinárias [dos profissionais de saúde], se for necessário existirem, existam" e para que "vão ao encontro daquilo que são as necessidades das populações", garantiu hoje Lacerda Sales.

A medida acompanha, segundo o secretário de Estado, "o esforço do Governo" para colmatar o índice de absentismo no Serviço Nacional de Saúde (SNS), que de acordo com dados do Portal da Transparência publicados pelo jornal "Público" aumentaram 21,6% em 2020, relativamente a 2019.

"Os profissionais estão cansados, estão exaustos", justificou o governante, atribuindo ainda os 5,1 milhões de dias de ausência destes profissionais ao facto de muitos terem estado "em isolamento ou por serem pais e terem usado [os direitos] da sua parentalidade".

 Lacerda Sales garantiu que o seu ministério "está atento" à situação que afeta os profissionais da saúde e que deu "indicações para as Administrações Regionais de Saúde poderem contratar", que levou já a "uma diminuição do absentismo nos meses de novembro e dezembro" de 2021.

Lacerda Sales falava nas Caldas da Rainha, no final de uma visita ao Centro de Vacinação contra a covid-19 instalado na Associação Arneirense, depois de horas antes ter visitado um outro centro, em Peniche, ambos no distrito de Leiria.

A covid-19 provocou 5.470.916 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.091 pessoas e foram contabilizados 1.613.427 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan na China.

Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi registada desde novembro em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

DA // PAL

Lusa/fim

+ notícias: País

Já são conhecidas as medidas de coação no caso de tráfico humano no Alentejo

O juiz Carlos Alexandre determinou que 23 dos arguidos, todos eles estrangeiros, ficam em prisão preventiva, outros oito que também ficaram com essa medida têm a possibilidade de passar a ter pulseira eletrónica em prisão domiciliária. Quatro portugueses saem em liberdade, mas ficam proibidos de contactos e com apresentações periódicas às autoridades.

Horários alargados em 176 centros de saúde a nível nacional

Quase duas centenas de centros de saúde estão já a funcionar em todo o país com horário alargado, disponível para consulta no portal do SNS, uma medida que visa diminuir a pressão sobre as urgências hospitalares.

Adão e Silva não vai ao Qatar "contra instâncias que dirigem o futebol mundial." As polémicas do ministro-adepto

Pedro Adão e Silva, em entrevista ao semanário Expresso, garante que não vai ao Mundial de 2022 mesmo que a Seleção Nacional chegue à final. O atual ministro da Cultura defende que o seu lugar no futebol “é no Estádio da Luz”.