Efetividade das vacinas contra a Covid-19 é menor com a variante Ómicron

Efetividade das vacinas contra a Covid-19 é menor com a variante Ómicron
| País
Porto Canal com Lusa

A efetividade da vacina contra a covid-19 é mais baixa na variante Ómicron do que a estimada para a Delta, mas após a dose de reforço aumenta e varia consoante a vacina e o tempo desde a última dose, segundo os especialistas.

Na apresentação que hoje fez na reunião de peritos do Infarmed, Ana Paula Rodrigues, do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), explicou, citando vários estudos, que a efetividade da vacina contra infeção no caso da variante Ómicron situa-se entre os 40% a 70% e é considerada "moderada contra a infeção sintomática".

A especialista disse ainda que a imunidade baixa mais rápido na variante Ómicron do que o que se verificou na Delta, fruto da maior capacidade de escape ao sistema imunitário.

Já a efetividade contra a hospitalização, independentemente do tipo de vacina, no caso da Ómicron, e após o reforço vacinal, é de 88%. Após a segunda dose situa-se entre os 52% e os 72%, "dependendo do tempo que decorreu entre última toma da vacina", disse.

Os dados apontam para valores inferiores na efetividade da vacina relativamente ao que se verificava na variante Delta, "mas após o reforço aproxima-se. Contudo, não se sabe ainda qual é o decaimento no risco de hospitalização com o tempo, mas espera-se que seja menor", acrescentou.

+ notícias: País

Governo alerta para nova vaga de calor que começa este fim de semana e prolonga-se até setembro

O Governo alertou, esta quarta-feira, depois de uma reunião do IPMA para o aumento das temperaturas a partir do fim de semana que se vão prolongar até setembro. 

Oito meios aéreos mobilizados para a serra da Estrela

Oito meios aéreos estavam, cerca das 10:00 desta quarta-feira, a combater o incêndio que lavra há mais de uma semana na serra da Estrela, segundo o 'site' da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Incêndios: Cerca de 50 concelhos do interior Norte e Centro, Alto Alentejo e Algarve em risco máximo

Cerca de 50 concelhos dos interior Norte e Centro, Alto Alentejo e Algarve estão hoje em risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).