Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Itália vai começar a vacinar crianças a partir de 16 de dezembro

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Roma, 02 dez 2021 (Lusa) -- A Itália vai começar a vacinar crianças entre os cinco e 12 anos contra a covid-19 a partir de 16 de dezembro, anunciou hoje o gabinete do comissário especial designado pelo governo para gerir a pandemia.

As doses da vacina Pfizer-BioNTech "representam uma primeira parcela que vai continuar em janeiro e estará disponível a partir de 15 de dezembro, para que todos os postos de vacinação nas regiões e províncias autónomas possam vacinar as crianças a partir de 16 de dezembro", indicou o gabinete do general Francesco Figliuolo, em comunicado.

A Agência Farmacêutica Italiana (AIFA) aprovou na noite de quarta-feira a injeção da vacina em menores, seguindo a recomendação da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), em novembro.

A injeção do fármaco será feita com um terço da dose aplicada em adultos e adolescentes, com uma fórmula específica, e será dada em dois momentos, com um intervalo de três semanas entre a primeira e a segunda dose.

Pouco antes do anúncio de Figliuolo, a região de Lácio (centro), cuja capital é Roma, avisou que as reservas para aceder à vacina poderiam ser solicitadas pelos pais dos menores a partir de 13 de dezembro nos 78 mini-centros de vacinação preparados.

"Haverá pediatras, médicos, enfermeiras e até palhaços para que os mais pequenos se sintam confortáveis", disse o conselheiro regional de saúde, Alessio D'Amato, em nota.

Segundo a AIFA, os dados disponíveis sobre a vacina pediátrica "demonstram um elevado nível de eficácia e não há sinais de alerta em termos de segurança".

Neste sentido, o documento recorda que embora a infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 seja "mais benigna em crianças, em alguns casos pode levar a consequências graves", como o desenvolvimento da síndrome inflamatória multissistémica que pode levar à necessidade de cuidados intensivos.

No dia 25 de novembro, a EMA aprovou a extensão da atual licença europeia da Pfizer e BioNtech para o uso da sua vacina contra a covid-19 em crianças entre os cinco e os 11 anos.

A covid-19 provocou pelo menos 5.223.072 mortes em todo o mundo, entre mais de 262,93 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, foi recentemente detetada na África do Sul, tendo sido identificados, até ao momento, 19 casos em Portugal.

AXYG // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Rússia deixa de fornecer eletricidade à Finlândia a partir de sábado

Helsínquia, 13 mai 2022 (Lusa) -- A Rússia vai suspender as entregas de eletricidade para a Finlândia a partir de sábado, devido a contas não pagas, anunciou hoje o fornecedor RAO Nordic Oy, que detém a empresa russa InterRAO.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.