Info

Covid-19: Recuperação do tráfego está nos 50% mas nova variante pode fazer rever previsões - ANA

| Economia
Porto Canal com Lusa

Aveiro, 02 dez 2021 (Lusa) - A ANA, gestora aeroportuária, diz que a recuperação do tráfego nos dez aeroportos que gere é no global de cerca de metade face a 2019, sendo que os comportamentos são assimétricos e a nova variante pode obrigar a rever as previsões.

"Em termos globais da ANA, a recuperação anda entre os 40-50% em relação a 2019, cerca de metade do tráfego. Esta recuperação é assimétrica e acontece a diferentes velocidades", afirmou hoje o administrador Francisco Pita no 46.º Congresso Nacional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que decorre em Aveiro.

O responsável explicou, contudo, que na rede de dez aeroportos que gerem têm uma "diversidade de comportamentos".

Por exemplo, "os aeroportos dos Açores e da Madeira, por uma questão de tráfego doméstico, com um nível de controlo da pandemia muito grande e, portanto, com um menor impacto na receção de tráfego internacional, (contam) com recuperações mais rápidas", disse, acreditando que "possivelmente vão fechar o ano com recuperações perto dos 60-65%".

Depois, acrescentou, há aeroportos "como Lisboa ou como o Porto", onde há "uma grande percentagem de tráfego VFR ('visiting friends and relatives', visita a amigos e familiares)", tipo esse de tráfego que, segundo o responsável, "é extremamente resiliente". Portanto, "também consegue o Porto ter uma recuperação bastante grande", explica.

"Temos Lisboa depois que, fruto da quantidade de tráfego intercontinental que tem -- da proporção do tráfego 'corporate' [de negócios], está a recuperar mais devagar. E temos o Algarve, onde temos uma combinação do lazer, que recupera muito rápido, mas depois dos temas da dependência do mercado do Reino Unido e de todos os sobressaltos que houve em termos da pandemia com o Reino Unido, levou, de facto, a flutuações muito grandes", disse.

Factos que sustentam, então, as "diferentes velocidades" na retoma do tráfego aéreo.

Em novembro na Madeira, por exemplo, o tráfego "foi praticamente igual" ao mês homólogo de 2019. "Praticamente não houve diferença. A diferença foi mínima", disse Francisco Pita.

"O aeroporto de Faro, onde temos o tema do lazer, a recuperação andou nos 80%. Houve bastante golfe, houve férias de maio-junho que passaram para outubro-novembro, houve aqui este efeito de princípio de verão passado para o outono e isso contribuiu para este tipo de comportamentos", disse.

Facto é que Francisco Pita diz que na ANA foram "muito conservadores" quando fizeram as últimas previsões.

"Não arriscámos e estamos a ser surpreendidos pela positiva. Mas também fizemos estas previsões antes desta nova variante. Já sei que amanhã [sexta-feira] quando chegar ao escritório vou ter uma surpresa porque vou ver as reservas a caírem e as companhias a cancelarem e possivelmente vamos ter que rever", acrescentou.

O administrador da ANA diz que a pandemia de covid-19 veio ensinar que a "procura recupera muito rapidamente", mas que "com todos estes fatores há uma volatilidade enorme".

"De um dia para o outro, a pessoa acorda de manhã e o comportamento é completamente diferente. Mas que de facto a procura, com exceção do 'corporate', recupera mais rápido do que aquilo que esperávamos inicialmente, é verdade", afirmou.

Questionado se prevê constrangimentos face às novas medidas anunciadas pelo Governo, Francisco Pita disse que a ANA está "a fazer tudo para que não haja problemas".

"Foi complexo preparar esta operação, vamos ter que controlar todos os passageiros que chegam aos aeroportos nacionais e isso é pesado. É uma operação logística complicada. Obriga a preparar áreas, equipas, a ter recursos humanos para fazer esse controlo. Temos trabalhado com o Governo e com as várias entidades para conseguir fazer tudo isto minimizando o impacto para os passageiros", concluiu.

O 46.º Congresso Nacional da APAVT tem como tema o "Reencontro" e termina na sexta-feira.

MSF // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Arranque da semana marcado com novo aumento dos combustíveis  

O arranque desta semana fica marcado com um novo aumento dos combustíveis, com a gasolina a aumentar um cêntimo e o gasóleo a rondar uma subida de dois cêntimos por litro. Com o pouco movimento que o Porto Canal verificou na manhã desta segunda-feira, os Portuenses optaram por abastecer o depósito no fim de semana.

Covid-19: Adesão a pagamento fracionado do IVA não exige quebra de faturação de 10%

As micro e pequenas empresas que pretendam aderir ao pagamento fracionado do IVA e retenções na fonte do IRS e IRC podem fazê-lo mesmo que não tenham registado uma quebra de faturação de 10%, segundo um despacho agora publicado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.