Info

Economia brasileira recua 0,1% no terceiro trimestre

| Economia
Porto Canal com Lusa

São Paulo, 02 dez 2021 (Lusa) -- A economia brasileira caiu 0,1% no terceiro trimestre do ano face ao segundo trimestre, quando já havia registado uma queda de 0,4%, entrando em recessão técnica, anunciou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A recessão técnica acontece quando há duas quedas consecutivas do Produto Interno Bruto (PIB) de um país.

Apesar da alta de 1,1% no setor de serviços, que respondem por mais de 70% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, o IBGE informou que o índice foi influenciado para baixo, principalmente pela queda de 8% na agropecuária e pelo recuo de 9,8% nas exportações de bens e serviços. Já a indústria ficou estável (0,0%).

O órgão responsável pelas estatísticas do Governo brasileiro destacou que o recuo na agropecuária foi fortemente influenciado pela colheita de soja.

"Como ela [soja] é a principal 'commodity' brasileira, a produção agrícola tende a ser menor a partir do segundo semestre. Além disso, a agropecuária vem de uma base de comparação alta, já que foi a atividade que mais cresceu no período de pandemia e, para este ano, as perspetivas não foram tão positivas", afirmou Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.

 Em relação a igual período de 2020, o PIB do Brasil registou um crescimento de 4%.

No acumulado dos quatro trimestres terminados em setembro, houve uma subida de 3,9% face aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

Nos nove primeiros meses do ano, a produção de riquezas no país avançou 5,7% contra igual período do ano passado. Nessa comparação, a indústria (6,5%) e os Serviços (5,2%) registaram variação positiva, enquanto a agropecuária registou variação negativa de 0,1%.

Segundo o IBGE, o PIB brasileiro está no patamar do fim de 2019 e início de 2020, período antes da pandemia de covid-19, e ainda está 3,4% abaixo do ponto mais alto da atividade económica na série histórica, alcançado no primeiro trimestre de 2014.

Em valores correntes, o PIB do país atingiu o montante de 2,2 biliões de reais (342 mil milhões de euros) no terceiro trimestre de 2021.

A Formação Bruta de Capital Fixo, que corresponde aos investimentos, teve uma variação negativa de 0,1% no terceiro trimestre do ano face ao trimestre imediatamente anterior.

Já a despesa de consumo das famílias registou uma expansão de 0,9% e a despesa de consumo do Governo cresceu 0,8%.

No setor externo, tanto as exportações de bens e serviços (-9,8%) quanto as importações de bens e serviços (-8,3%) registaram quedas face ao segundo trimestre de 2021.

A taxa de investimento no terceiro trimestre de 2021 foi de 19,4% do PIB contra 16,4% no mesmo período do ano anterior. A taxa de poupança foi de 18,6% no terceiro trimestre de 2021, maior que os 16,2% obtidos no mesmo período de 2020.

O IBGE também fez uma revisão do Produto Interno Bruto do país, atualizando a queda anual registada em 2020 de 4,1% para 3,9%.

Além disso, o instituto reviu o resultado do crescimento do PIB do primeiro trimestre do ano, de 1,2% para 1,3%.

 

CYR // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Arranque da semana marcado com novo aumento dos combustíveis  

O arranque desta semana fica marcado com um novo aumento dos combustíveis, com a gasolina a aumentar um cêntimo e o gasóleo a rondar uma subida de dois cêntimos por litro. Com o pouco movimento que o Porto Canal verificou na manhã desta segunda-feira, os Portuenses optaram por abastecer o depósito no fim de semana.

Covid-19: Adesão a pagamento fracionado do IVA não exige quebra de faturação de 10%

As micro e pequenas empresas que pretendam aderir ao pagamento fracionado do IVA e retenções na fonte do IRS e IRC podem fazê-lo mesmo que não tenham registado uma quebra de faturação de 10%, segundo um despacho agora publicado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.