Info

Bruxelas dá dois meses a Portugal para adotar na íntegra diretiva Habitats

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 02 dez 2021 (Lusa) -- A Comissão Europeia deu hoje dois meses a Portugal para cumprir o acórdão do Tribunal de Justiça da União Europeia sobre a diretiva Habitats e adotar planos de gestão para as áreas especiais de conservação.

Segundo um comunicado de imprensa do executivo comunitário, Portugal cumpriu parcialmente o acórdão, designando 61 sítios de importância comunitária como áreas especiais de conservação, "mas ainda não adotou os planos de gestão correspondentes, incluindo objetivos e medidas de conservação".

Portugal tem agora dois meses para responder à carta e tomar as medidas necessárias, caso contrário Bruxelas pode remeter o assunto para o Tribunal de Justiça da União Europeia e pedir sanções financeiras.

O acórdão, emitido em 05 de setembro de 2019 na sequência de um processo de infração, considerou que "ao não designar como zonas especiais de conservação 61 sítios de importância comunitária reconhecidos pela Comissão Europeia na Decisão 2004/813/CE da Comissão, de 07 de dezembro de 2004 [...] e ao não adotar as medidas de conservação necessárias que satisfaçam as exigências ecológicas dos tipos de habitats naturais [...]a República Portuguesa não cumpriu as obrigações que lhe incumbem" no âmbito da diretiva Habitats.

IG // JMR

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Arranque da semana marcado com novo aumento dos combustíveis  

O arranque desta semana fica marcado com um novo aumento dos combustíveis, com a gasolina a aumentar um cêntimo e o gasóleo a rondar uma subida de dois cêntimos por litro. Com o pouco movimento que o Porto Canal verificou na manhã desta segunda-feira, os Portuenses optaram por abastecer o depósito no fim de semana.

Covid-19: Adesão a pagamento fracionado do IVA não exige quebra de faturação de 10%

As micro e pequenas empresas que pretendam aderir ao pagamento fracionado do IVA e retenções na fonte do IRS e IRC podem fazê-lo mesmo que não tenham registado uma quebra de faturação de 10%, segundo um despacho agora publicado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.