Info

Eutanásia: Presidente da República devolve diploma sem promulgação à Assembleia da República

Eutanásia: Presidente da República devolve diploma sem promulgação à Assembleia da República
| Política
Porto Canal com Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, devolveu hoje à Assembleia da República sem promulgação o decreto sobre a morte medicamente assistida, envolvendo a eutanásia e o suicídio medicamente assistido.

"O Presidente da República decidiu, hoje, devolver à Assembleia da República o decreto sobre morte medicamente assistida, envolvendo a eutanásia e o suicídio medicamente assistido, recebido no dia 26 de novembro", lê-se numa nota divulgada hoje no 'site' da Internet da Presidência.

A nota adianta que o "Presidente da República devolveu, sem promulgação, o Decreto da Assembleia da República n.º 199/XIV, de 5 de novembro de 2021, que regula as condições em que a morte medicamente assistida não é punível e altera o Código Penal, nos termos da nota e da mensagem infra".

Ao devolver o diploma, Marcelo Rebelo de Sousa formulou duas solicitações.

O Presidente da República solicita que seja clarificado "o que parecem ser contradições no diploma quanto a uma das causas do recurso à morte medicamente assistida".

"O decreto mantém, numa norma, a exigência de "doença fatal" para a permissão de antecipação da morte, que vinha da primeira versão do diploma. Mas, alarga-a, numa outra norma, a "doença incurável" mesmo se não fatal, e, noutra ainda, a "doença grave". O Presidente da República pede que a Assembleia da República clarifique se é exigível "doença fatal", se só "incurável", se apenas "grave", escreve.

O chefe de Estado solicita também que se deixe de "ser exigível a 'doença fatal'".

"O Presidente da República pede que a Assembleia da República repondere a alteração verificada, em cerca de nove meses, entre a primeira versão do diploma e a versão atual, correspondendo a uma mudança considerável de ponderação dos valores da vida e da livre autodeterminação, no contexto da sociedade portuguesa", refere.

+ notícias: Política

António Costa volta a referir que "não é a votar numa terceira força política que se resolve o empate entre o PS e o PSD" 

António Costa, Secretário-geral do PS, voltou a referir na noite da passada quinta-feira durante um comício em Lisboa, que "não é a votar numa terceira força política que se resolve o empate entre o PS e o PSD", apelando novamente ao voto no PS para que se consiga resolver "este empate de forma vitoriosa".

Rui Rio: "Para mim é claro que todos os novos organismos têm de ser fora da Capital"

Rui Rio, Presidente do PSD, disse em entrevista exclusiva ao Porto Canal, na noite da passada quinta-feira, que "é claro que todos os novos organismos têm de ser fora da Capital", no entanto o Presidente Social Democrata salienta que atualmente "o problema não é dizer, é fazer".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.