Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Ministro da Saúde sul-africano considera "injustificada" reação internacional

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Joanesburgo, 26 nov 2021 (Lusa) - O ministro da Saúde sul-africano, Joe Phaahla, considerou hoje que a reação internacional de restrições a viajantes da África Austral, na sequência da deteção de uma nova variante do coronavírus (B.1.1.529), é "injustificada", "contraproducente" e "draconiana".

"E estou a referir-me aqui especificamente à reação dos países da Europa, do Reino Unido e de vários outros países", declarou, referindo-se a nações que já anunciaram restrições.

À medida que o dia avançava, países como o Reino Unido, França, Marrocos ou Filipinas, anunciaram que estavam a suspender os voos da África do Sul, seguindo o exemplo da Grã-Bretanha. Entretanto também a União Europeia decidiu suspender temporariamente os voos de sete países da África Austral, incluindo a África do Sul.

Os cientistas anunciaram esta quinta-feira que tinham detetado uma nova variante de covid-19 no país da África Austral com base em amostras recolhidas em meados de novembro, que é potencialmente mais contagiosa e tem múltiplas mutações.

Na altura do anúncio, já tinham sido identificados casos no Botsuana e em Hong Kong, mas hoje foram acrescentados casos em Israel e na Bélgica.???????

A eficácia das vacinas contra esta mutação está a ser estudada.

A União Europeia recomendou a suspensão de todos os voos de e para a África Austral e outros países afetados pelo surto da nova variante B.1.1.529.

"Sentimos que esta é a abordagem errada, na direção errada, e que vai contra as normas aconselhadas pela OMS [Organização Mundial de Saúde]. Sentimos que os líderes de alguns países estão a encontrar bodes expiatórios para lidar com o que é um problema global", disse o ministro da Saúde, referindo-se a "reações de pânico irrefletidas".

Segundo um dos principais especialistas da África do Sul em vigilância genómica, Tulio de Oliveira,?tais medidas "draconianas", que afetam o setor do turismo em particular, poderiam encorajar os países a não relatar a descoberta de futuras variantes, de modo a não serem sancionadas.

O ministro argumentou que uma vez que a investigação se encontra numa fase muito preliminar porque a deteção foi anunciada no início desta semana, não há provas científicas concretas de que a nova variante seja mais grave ou transmissível (embora haja indícios de que possa ser mais contagiosa devido ao aumento de casos na África do Sul nos últimos dias).

"Não há qualquer indicação ou sugestão neste momento de que doenças graves com esta variante em particular não serão prevenidas por vacinas", acrescentou.

O ministro chamou à vaga de proibições de viagens e restrições internacionais uma resposta "ajoelhada" e "draconiana" e disse que era "irónico" que a África do Sul, onde o número de novas infeções na quinta-feira era de 2.465, estivesse a ser restringida por países que estavam a relatar 40.000 ou mesmo 50.000 casos por dia.

"Temos de trabalhar juntos em vez de nos castigarmos uns aos outros", comunicou.

Phaala observou que não é "impossível" que a variante seja de facto originária de algum outro país que enfrenta a pandemia de uma forma "mais liberal" a nível interno e recordou que o caso desta variante detetada na Bélgica, por uma mulher que tinha viajado para o Egito via Turquia, não tem ligações conhecidas com a África Austral.???????

A nova variante - de que há ainda muito poucos casos confirmados no total - caracteriza-se por um número invulgar de mutações (pouco mais de 30), cujo impacto ainda tem de ser estudado.

Os Estados-membros da União Europeia (UE) decidiram hoje suspender temporariamente voos de sete países da África Austral - Botsuana, Essuatíni, Lesoto, Moçambique, Namíbia, África do Sul e Zimbabué - devido à identificação de uma variante do coronavírus, causador da covid-19, na África do Sul, altamente mutante.

A África do Sul é oficialmente o país africano mais afetado pela pandemia e está a sofrer um aumento exponencial de infeções.

O país tem mais de 2,9 milhões de casos e cerca de 89.800 mortes.

 

NZC/JH // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Rússia deixa de fornecer eletricidade à Finlândia a partir de sábado

Helsínquia, 13 mai 2022 (Lusa) -- A Rússia vai suspender as entregas de eletricidade para a Finlândia a partir de sábado, devido a contas não pagas, anunciou hoje o fornecedor RAO Nordic Oy, que detém a empresa russa InterRAO.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.