Covid-19: OMS diz precisar de mais tempo para avaliar nível de risco da nova variante

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Genebra, Suíça, 26 nov 2021 (Lusa) -- A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse hoje que serão precisas "várias semanas" para conhecer o nível de risco e de transmissibilidade da nova variante do novo coronavírus, detetada inicialmente na África do Sul.

Os especialistas da OMS, responsáveis por monitorizar a evolução do novo coronavírus que provoca a doença covid-19, reuniram-se hoje para determinar se a nova variante, identificada como B.1.1.529, deve ser classificada como "preocupante" ou "de interesse para monitorização", segundo explicou Christian Lindmeier, porta-voz da agência do sistema das Nações Unidas, numa conferência de imprensa em Genebra.

"Análises preliminares mostram que a variante tem um grande número de mutações que exigirão mais estudos e vão ser necessárias várias semanas para entender o seu impacto", acrescentou Christian Lindmeier.

A reunião do Grupo Consultivo de Peritos sobre a Evolução dos Vírus - que decorre em Genebra em formato híbrido -- está a analisar em conjunto com especialistas sul-africanos os últimos dados disponíveis sobre a nova variante, identificada pela primeira vez no dia 11 de novembro.

Neste momento, a OMS quer perceber o grau de risco da nova variante do vírus, que se junta a outras quatro já identificadas e nomeadas como Alpha, Beta, Gamma e Delta.

Para já, a OMS está a aconselhar os países a não tomarem medidas de restrição de viagens, enquanto a virulência e a transmissibilidade da nova variante permanecem desconhecidas.

"Permitam-me reiterar a nossa posição oficial: a OMS recomenda que os países continuem a aplicar uma abordagem científica e baseada no risco (...). Nesta fase, mais uma vez, a implementação de medidas restritivas de viagens não é recomendada", explicou Lindmeier.

Apesar dos poucos dias que se passaram, cerca de 30 mutações da variante já foram identificadas em lugares como a África do Sul, Botswana ou Hong Kong, o que tem gerado preocupação e a imposição, por parte de países europeus, de restrições a viajantes oriundos de países da África Austral.

O porta-voz da OMS acrescentou que, por enquanto, face à emergência desta e de outras variantes possíveis, continuam a ser válidas as medidas de prevenção individual preconizadas desde o ano passado, incluindo o uso de máscara, evitar grandes concentrações de pessoas ou a higienização das mãos.

Até agora, a variante Delta, detetada pela primeira vez na Índia, é a predominante em quase todo o mundo e, de acordo com testes laboratoriais, já está presente em mais de 99% dos novos casos atuais.

A covid-19 provocou pelo menos 5.180.276 mortes em todo o mundo, entre mais de 259,46 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse (AFP).

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

RJP // SCA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Suspeito de ataque em Copenhaga tem antecedentes psiquiátricos

O alegado autor de um tiroteio ocorrido no domingo em Copenhaga, que fez três mortos e quatro feridos graves, tem antecedentes de doença psiquiátrica, indicou hoje a polícia dinamarquesa, afirmando não haver indícios de "um ato terrorista".

Vários mortos em tiroteio na Dinamarca. Suspeito é dinamarquês e tem 22 anos

Várias pessoas morreram num tiroteio no centro comercial Field's, em Copenhaga, capital da Dinamarca, revelou a polícia. Uma pessoa foi detida.

Rússia anuncia controlo total da região ucraniana de Lugansk. Ucrânia desmente. 

O ministro da Defesa russo Serguei Shoigu afirmou hoje que as forças russas controlam toda a região ucraniana de Lugansk, no Donbass, depois de conquistada a cidade-chave de Lisichansk, alvo de combates intensos nos últimos dias.