Info

Metro do Porto alega “interesse público” para retoma de concurso da nova ponte

| Norte
Porto Canal com Lusa

A Metro do Porto alega o “interesse público” na contestação à suspensão do concurso de concessão da nova ponte sobre o Douro, citando a “necessidade real e urgente de celebrar o contrato público” para a execução da obra.

Em resposta à queixa apresentada pela candidatura liderada pela Pencil Engenharia, a empresa refere que, “pondo na balança a gravidade do prejuízo para a Autora [Pencil Engenharia] e para o interesse público”, resulta que, “por um lado, a Autora não obterá mais que a destruição do procedimento”.

“Por outro lado, o interesse público verá impossibilitada a concretização da expansão da rede de metro ligeiro da Área Metropolitana do Porto”, prossegue a argumentação.

Correm, neste momento, no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, duas ações de contencioso pré-contratual que ditam a suspensão do concurso de concessão da nova ponte sobre o Douro, que permitirá a extensão da linha amarela do metro, ligando Santo Ovídio, em Vila Nova de Gaia, à Casa da Música, no Porto.

A Metro do Porto contestou as duas, mas a Lusa consultou apenas uma dessas ações, que foram remetidas para o Tribunal Central Administrativo Norte.

Na contestação na qual pede o levantamento da suspensão do concurso, é frisado que “nenhum interesse existe a tutelar da parte da Autora [Pencil Engenharia] com a manutenção do efeito suspensivo, já que a suspensão do procedimento implicará a sua total destruição, sem que haja perspetivas próximas de que seja realizado um novo procedimento onde ela possa concorrer, em virtude de a Ré [Metro do Porto] não dispor de financiamento alternativo para a realização da obra a projetar”.

O documento invoca a execução dos termos contratualizados para acesso aos fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) como prova da “necessidade real e urgente de celebrar o contrato público”.

Assim é, porque “a disponibilização de fundos fica condicionada à evidência por parte de Portugal do cumprimento dos marcos e metas estabelecidos no PRR”.

Em causa está uma verba total de 299 milhões de euros que a Metro do Porto receberá, de acordo com o estipulado no contrato com a Estrutura de Missão “Recuperar Portugal” (EMRP), enquadrada no âmbito do PRR.

“Os apoios financeiros atribuídos à Metro do Porto poderão ter de ser por esta devolvidos, total ou parcialmente, se o investimento não for executado ou concluído tal como consta no cronograma constante do referido contrato”, frisa a defesa.

É considerado, por isso, “de superior interesse público evitar o desperdício das verbas provenientes de financiamento comunitário a fundo perdido, cuja aprovação, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência, obedeceu a um criterioso processo de seleção”.

“A perda de financiamento comunitário colocará em causa o desenvolvimento do investimento, uma vez que a Ré [Metro do Porto] não dispõe de fontes de financiamento alternativas”, realçam.

As metas preveem a “assinatura do contrato de execução do projeto” no segundo trimestre de 2023.

No segundo trimestre do ano seguinte, 2024, deve ser apresentado um “relatório intercalar” que refira a evolução das obras e o cumprimento do calendário.

A “conclusão da expansão da rede de metro do Porto” tem de acontecer no quarto trimestre do 2025 e “é incompatível com atrasos na execução do referido investimento”.

Na contestação lê-se que “a construção da ponte não é, sob nenhuma perspetiva, indissociável da construção da nova linha ligando a margem norte do rio (Porto) à margem sul (Vila Nova de Gaia)”.

A importância dessa travessia é exemplificada com o facto de 57,7% das deslocações intermunicipais a partir do concelho de Gaia serem em direção ao Porto, enquanto, no sentido inverso, essa proporção é de 21,3%.

Entre as linhas estudadas, “esta é aquela que permite maior captação de passageiros ao transporte individual”, refere ainda a contestação, e servirá “também para descongestionar a atual linha amarela, cujo prolongamento sul a Vila d’Este se encontra em construção”.

O concurso de concessão da nova ponte sobre o Douro recebeu 27 candidaturas.

Para além das duas ações que decorrem no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, a Metro do Porto tinha recebido sete impugnações, embora uma tenha sido rejeitada por ser “extemporânea”.

A empresa não deu provimento a nenhuma das contestações, alegando um “equívoco na compreensão” do concurso em causa por parte dos concorrentes.

Os três projetos finalistas foram anunciados em 18 de outubro.

O júri do concurso atribuiu o primeiro lugar ao consórcio liderado por Edgar Cardoso: Laboratório de Estruturas, que propõe uma solução tipo pórtico com escoras inclinadas, com betão como principal material e uma altura superior à da Ponte da Arrábida.

Já o segundo lugar foi atribuído ao projeto do consórcio liderado pela COBA, que apresenta uma solução de arco com tabuleiro a nível intermédio, com pilares de betão armado nas encostas e pilares metálicos sobre o arco.

O terceiro lugar foi atribuído ao consórcio liderado pela Betar - Consultores, cujo projeto assenta numa solução de pórtico de pilares inclinados e assimétricos nas margens, com o tabuleiro a ser constituído por aço e betão e os pilares e encontros em betão armado.

+ notícias: Norte

Incêndio Florestal em Vale de Cambra mobiliza 154 operacionais e dois aviões

Um incêndio florestal em Arões, no concelho de Vale de Cambra, está esta tarde a ser combatido por 154 homens e dois meios aéreos, revelou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro.

Trabalhadores de limpeza hospitalar do São João em greve por melhores condições de segurança, de saúde e fim da discriminação 

Os trabalhadores de limpeza do hospitalar do São João encontram-se em greve durante a manhã desta sexta-feira, frente ao Hospital São João, exigindo melhores condições de segurança, de saúde e fim da discriminação entre os trabalhadores de limpeza e trabalhadores do hospital. Em declarações ao Porto Canal, Eduardo Teixeira, Coordenador Regional do Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Atividades Diversas do Porto (STAD), afirmou, em declarações ao Porto Canal, que "estes trabalhadores das limpezas merecem respeito".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.