Info

Primeiro Festival Internacional de Cultura Pop chega ao Porto este fim de semana

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 24 nov 2021 (Lusa) -- A primeira edição do Festival Internacional de Cultura Pop junta autores especializados "de várias partes do mundo para celebrar a música", de sexta-feira a domingo, no Círculo Católico de Operários do Porto, anunciou hoje a organização.

Durante "três dias dedicados aos heróis do imaginário musical", serão promovidas conversas com escritores e jornalistas que se dedicaram à música.

O festival abre, às 17:00 de sexta-feira, com John Robb, "um dos mais carismáticos jornalistas do punk e post-punk britânico, líder dos Membranes, ativista e responsável pelo 'Louder than War', e Richie Unterberger, um guardião das palavras que mantêm os heróis esquecidos do rock'n'roll vivos, nas estórias por detrás dos discos e nas personalidades por detrás das canções", adianta a organização em comunicado.

O realizador, DJ e membro dos Big Audio Dynamite Don Letts é quem assume 'as rédeas' no sábado, às 18:00.

No mesmo dia, às 19:00, pode-se ouvir Vivien Goldman, jornalista da revista NME (New Musical Express), divulgadora musical de reggae e punk, autora de "Revenge of the She-Punks", membro dos Flying Lizards, professora de reggae e punk na Universidade de Nova Iorque e ativista feminista.

O último dia do festival, domingo, começa com Martin Aston, às 18:00, que vai partilhar a sua experiência como jornalista na Mojo, Q e no The Guardian, entre outros, e 'olheiro' da editora e loja de discos londrina Rough Trade.

Aston é também autor de livros sobre os Pulp, Björk, tendo igualmente assinado "Facing the Other Way: The Story of 4AD", sobre a editora que revelou bandas como Cocteau Twins e Dead Can Dance, nos anos de 1980, fixando mais tarde Throwing Muses, Pixies e, já nos anos de 1990, nomes como The Breeders e Red House Painters.

Há ainda espaço para Simon Reynolds, "escritor e jornalista com com extensa e diversificada obra editada sobre vários estilos musicais e do seu impacto histórico, social, político, de género, classe social e de escolha sexual - desde o post-punk em 'Rip it Up and Start Again', glam em 'Shock and Awe' e 'Retromania', sobre o culto da Pop com o seu próprio passado".

Citado em nota de imprensa, o curador do festival, Ricardo Salazar, destaca que "esta é uma oportunidade para a cidade do Porto contactar com alguns dos nomes mais carismáticos da cultura pop, que reúne escritores de referência mundial na crítica musical".

"Haverá conferências, apresentações, debates e entrevistas com jornalistas e escritores na área da música, que incluem referências portuguesas como Paulo Vinhas, Rui Miguel Abreu, Pedro João Santos e Lia Pereira", adiantou.

Para além das conversas, está prevista uma 'after-party', no sábado, no Maus Hábitos, com a música a cargo de algumas das pessoas que passam pelo festival.

O Festival Internacional de Cultura Pop é organizado pela Sister Ray e é cofinanciado pelo Portugal 2020.

Os bilhetes, que podem ser adquiridos na Ticketline, estão a 40 euros para os três dias até quinta-feira, e, nos dias do festival, passam a 45 euros.

Já os ingressos diários podem ser adquiridos por 15 euros até quinta-feira e por 20 euros a partir de sexta-feira.

ILYD // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Explosão de etanol em escola superior de Ponte de Lima faz dois feridos graves

Duas funcionárias de 52 e 53 anos ficaram hoje feridas com gravidade na sequência da explosão de etanol de um equipamento que aquecia refeições, na Escola Superior Agrária (ESA), em Ponte de Lima, disse à Lusa fonte da proteção civil.

Marta Temido diz que "entidades do setor não lucrativo poderão ser envolvidas nos testes"

A ministra da Saúde, Marta Temido, avançou hoje que está a ser estudada a possibilidade de envolver “outras entidades do setor não lucrativo” para que seja possível dar resposta à procura de testes comparticipados de covid-19.

Maquinistas da Metro Porto em greve devido a "impasse de negociações"

Os maquinistas da Metro Porto encontram-se durante esta sexta-feira em greve e, segundo declarações do dirigente do sindicato dos maquinistas, Hélder Silva, ao Porto Canal, disse que esta greve "deve-se ao impasse de negociações com a subconcessionária da Metro Porto" explicando que "já andam em negociações há mais de um ano, mas sem evoluções". Hélder Silva referiu ainda que a greve "está com 100% de adesão" e sem "serviços mínimos".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.