Info

Empresa portuguesa de mobiliário sobe salário mínimo aos trabalhadores para 750 euros em 2022

Empresa portuguesa de mobiliário sobe salário mínimo aos trabalhadores para 750 euros em 2022
| Economia
Porto Canal

O Grupo Laskasas, com sede em Rebordosa, Paredes, anunciou esta terça-feira, que em 2022 vai subir o ordenado mínimo para 750 euros aos seus trabalhadores. A medida entra em vigor dia um de janeiro de 2022.

O Grupo Laskasas foi fundado em 2004, por Celso Lascasas, e é uma marca de mobiliário 100% portuguesa que emprega 430 trabalhadores. Celso Lascasas acredita que "a empresa tem apresentado resultados positivos e continua a crescer de forma sustentada e o mérito é, sem dúvida, dos colaboradores", acrescenta ainda que “o aumento dos vencimentos é também uma forma de reconhecer e de motivar a equipa, para que a empresa possa continuar a crescer no futuro".

O Grupo Laskasas prevê este ano um crescimento de cerca de 12%. A marca é reconhecida pela criação e fabrico de mobiliário 100% nacional, com capacidade de personalização das peças, apostando no design e qualidade únicos, com detalhes artesanais, estofos e mobiliário com opções metálicas, para projetos residenciais e comerciais.

Com uma rede de 15 lojas em Portugal, Angola, Espanha, República Dominicana e na Rússia, a insígnia Laskasas está presente nas principais feiras mundiais da fileira casa e decoração.

+ notícias: Economia

Arranque da semana marcado com novo aumento dos combustíveis  

O arranque desta semana fica marcado com um novo aumento dos combustíveis, com a gasolina a aumentar um cêntimo e o gasóleo a rondar uma subida de dois cêntimos por litro. Com o pouco movimento que o Porto Canal verificou na manhã desta segunda-feira, os Portuenses optaram por abastecer o depósito no fim de semana.

Covid-19: Adesão a pagamento fracionado do IVA não exige quebra de faturação de 10%

As micro e pequenas empresas que pretendam aderir ao pagamento fracionado do IVA e retenções na fonte do IRS e IRC podem fazê-lo mesmo que não tenham registado uma quebra de faturação de 10%, segundo um despacho agora publicado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.