Info

Portugal sofreu retrocessos na qualidade da democracia

Portugal sofreu retrocessos na qualidade da democracia
| Política
Porto Canal com Lusa

O Relatório Global sobre o Estado da Democracia revela que Portugal foi o único país da Europa Ocidental que registou uma queda em três dos parâmetros que medem a qualidade das democracias.

O relatório - do Instituto Internacional para a Democracia e Assistência Social (International IDEA), com sede em Estocolmo -- mede o desempenho democrático de 158 países desde 1975 e procura fornecer um diagnóstico sobre o estado das democracias em todo o mundo.

De uma forma geral, o relatório mostra que o mundo está a tornar-se mais autoritário e que os governos democráticos estão a retroceder, recorrendo a práticas repressivas e enfraquecendo o Estado de Direito.

Sobre Portugal, o relatório conclui que o regime democrático sofreu um retrocesso em áreas sensíveis - a independência judicial, ausência de corrupção e igualdade perante a lei -- sendo o único país da Europa Ocidental que regista uma queda em três parâmetros de avaliação.

Na Europa de Leste há países -- como a Hungria, a Polónia e a Eslovénia -- que caíram em quatro parâmetros, mas, a ocidente, o regime português foi o que comparou pior relativamente ao relatório de 2019.

Ainda assim, em vários parâmetros de medição do estado da democracia, Portugal mede-se de forma positiva contra a média do grupo dos países da Europa Ocidental -- que inclui Alemanha, França, Países Baixos, Suíça ou Reino Unido -- e está até acima da média do grupo da Europa do Sul -- onde se encontra, ao lado de Chipre, Grécia, Itália, Espanha e Turquia.

Nos parâmetros de representação governamental, a pontuação de Portugal é de 0.87, contra 0.84 da Europa Ocidental e 0.80 da Europa do Sul; na transparência eleitoral, a pontuação de Portugal é de 0.92, contra 0.90 da Europa Ocidental e 0.84 da Europa do Sul; na liberdade dos partidos políticos, a pontuação de Portugal é de 0.79, contra 0.76 da Europa Ocidental e 0.75 da Europa do Sul; e nas liberdades cívicas, a pontuação de Portugal é de 0.89, contra 0.87 da Europa Ocidental e 0.75 da Europa do Sul.

As debilidades do regime democrático português estão, essencialmente, nas áreas em que o país sofreu um retrocesso relativamente a 2019.

No acesso à justiça, a pontuação de Portugal é de apenas 0.71, contra 0.87 da Europa Ocidental e 0.74 da Europa do Sul; na independência judicial, a pontuação de Portugal é de 0.74, contra 0.78 na Europa Ocidental e 0.64 na Europa do Sul; na ausência de corrupção, a pontuação de Portugal é de 0.66, contra 0.85 da Europa Ocidental e 0.62 da Europa do Sul; e na participação da sociedade civil, a pontuação de Portugal é de 0.58, contra 0.81 da Europa Ocidental e 0.62 da Europa do Sul.

Portugal verifica ligeiras quedas em três parâmetros -- independência judicial, ausência de corrupção e igualdade perante a lei -- relativamente ao relatório anterior, de 2019, que se baseava em dados de antes da pandemia de covid-19.

A crise sanitária pode ter tido um impacto negativo na democracia portuguesa, como aconteceu com numerosos países um pouco por todo o mundo, concluem os investigadores do International IDEA.

"Portugal mantém-se no grupo intermédio, no que diz respeito à qualidade da democracia. E revela mesmo índices muito positivos em vários parâmetros. A maior fragilidade parece residir na aplicação da justiça e no esforço do combate à corrupção", disse à Lusa Kevin Casas-Zamora, secretário-geral do International IDEA.

Sobre o parâmetro da corrupção, Casas-Zamora atribui os sinais mais preocupantes a um aumento da visibilidade pública do problema em Portugal.

"Pelo que nos apercebemos, houve uma série de investigações judiciais que revelaram problemas graves de corrupção que envolvem juízes e altos responsáveis políticos", concluiu o secretário-geral da organização responsável pelo relatório.

+ notícias: Política

António Costa volta a referir que "não é a votar numa terceira força política que se resolve o empate entre o PS e o PSD" 

António Costa, Secretário-geral do PS, voltou a referir na noite da passada quinta-feira durante um comício em Lisboa, que "não é a votar numa terceira força política que se resolve o empate entre o PS e o PSD", apelando novamente ao voto no PS para que se consiga resolver "este empate de forma vitoriosa".

Rui Rio: "Para mim é claro que todos os novos organismos têm de ser fora da Capital"

Rui Rio, Presidente do PSD, disse em entrevista exclusiva ao Porto Canal, na noite da passada quinta-feira, que "é claro que todos os novos organismos têm de ser fora da Capital", no entanto o Presidente Social Democrata salienta que atualmente "o problema não é dizer, é fazer".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.