Info

"Manifesto de Matosinhos" alavanca ambições espaciais da agência europeia

| Norte
Porto Canal com Lusa

Matosinhos, Porto, 19 nov 2021 (Lusa) -- Vinte e três representantes de estados-membros da Agência Espacial Europeia (ESA) subscreveram hoje o "Manifesto de Matosinhos", declaração que confere à ESA poder para alavancar as ambições espaciais fazendo face aos desafios sociais e climáticos que a Europa enfrenta.

A Reunião Ministerial Intermédia da ESA, que reuniu hoje 23 representantes de estados-membros (contando com o Chipre), em Matosinhos, teve como tema central "Acelerar a Utilização do Espaço na Europa".

Da discussão em torno das prioridades identificadas pela agência espacial para acelerar o uso do espaço na Europa resultou o "Manifesto de Matosinhos", declaração que define três aceleradores para alavancar as ambições espaciais da Europa a "um próximo nível" e "redimensionar" as prioridades da agência.

A declaração, a que a Lusa teve acesso, confere também poder mandataráio à ESA para, até 2022, desenvolver esforços junto dos estados-membros para conseguir novos financiamentos.

Como principal prioridade, a ESA vai trabalhar no conceito de "espaço para um futuro verde" para permitir que as pessoas compreendam o estado atual do planeta e desenvolvam soluções para uma vida sustentável na Terra.

Este conceito vai ter por base um "gémeo digital da Terra", revelou o diretor-geral da ESA, Josef Aschbacher, acrescentando que com recurso a tecnologias de computação avançada e Inteligência Artificial vai ser possível "simular cenários" para alcançar os objetivos de neutralidade carbónica.

Ao mesmo tempo, a ESA vai trabalhar num acelerador de "resposta rápida e resiliente à crise" que visa apoiar os estados-membros a agir de forma decisiva na crise climática que a Europa enfrenta, mas "sem prejuízo das competências soberanas dos estados-membros e da União Europeia".

A declaração define ainda, como terceiro acelerador, que a ESA trabalhe na "proteção de ativos espaciais", com o objetivo de proteger os astronautas e ativos da ESA na interferência de detritos espaciais e do clima espacial.

A par destes três objetivos, o conselho da ESA reconheceu ainda dois "inspiradores" para se reforçar a liderança europeia em ciência, bem como o desenvolvimento tecnológico: "Uma missão de devolução de amostras da lua gelada" e uma "exploração espacial humana".

As três prioridades e os dois inspiradores foram definidos ao longo dos últimos meses por um grupo consultivo e vão ser trabalhados pela ESA até novembro de 2022, data prevista para a realização do Conselho Ministerial de Paris e onde se prevê que os estados-membros "expressem as suas posições" relativamente a estes novos objetivos da ESA, revelou Josef Aschbacher.

Até lá, a ESA vai "estudar, preparar e antecipar tudo o que é preciso para realizar estes aceleradores", salientou o diretor-geral da empresa espacial, acrescentando, no entanto, ser "urgente agir" perante os efeitos extremos das alterações climáticas.

Portugal organizou a reunião enquanto Estado que copreside, juntamente com França, ao Conselho Ministerial da ESA, órgão governativo da agência onde têm assento os ministros dos 22 países-membros que tutelam as atividades espaciais.

 

SPYC (ER)// HB

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Explosão de etanol em escola superior de Ponte de Lima faz dois feridos graves

Duas funcionárias de 52 e 53 anos ficaram hoje feridas com gravidade na sequência da explosão de etanol de um equipamento que aquecia refeições, na Escola Superior Agrária (ESA), em Ponte de Lima, disse à Lusa fonte da proteção civil.

Marta Temido diz que "entidades do setor não lucrativo poderão ser envolvidas nos testes"

A ministra da Saúde, Marta Temido, avançou hoje que está a ser estudada a possibilidade de envolver “outras entidades do setor não lucrativo” para que seja possível dar resposta à procura de testes comparticipados de covid-19.

Maquinistas da Metro Porto em greve devido a "impasse de negociações"

Os maquinistas da Metro Porto encontram-se durante esta sexta-feira em greve e, segundo declarações do dirigente do sindicato dos maquinistas, Hélder Silva, ao Porto Canal, disse que esta greve "deve-se ao impasse de negociações com a subconcessionária da Metro Porto" explicando que "já andam em negociações há mais de um ano, mas sem evoluções". Hélder Silva referiu ainda que a greve "está com 100% de adesão" e sem "serviços mínimos".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.