Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Líder do PCP diz que não há orçamento porque PS quer maioria absoluta

Líder do PCP diz que não há orçamento porque PS quer maioria absoluta
| Política
Porto Canal com Lusa

O secretário-geral do PCP acusou hoje o PS de não ter permitido a aprovação do Orçamento do Estado (OE) para 2022 porque "quer maioria absoluta" para "poder livremente manter os seus compromissos com o défice e o grande capital".

"Não há orçamento, porque o PS quer uma maioria absoluta para, sem condicionamentos, não responder aos problemas do país e poder livremente manter os seus compromissos com o défice e o grande capital em prejuízo do que interessa aos trabalhadores e ao povo", disse Jerónimo de Sousa, num comício do PCP em Évora.

"Milhões de portugueses interrogam-se porque não foi possível aprovar o orçamento. O futuro dirá, mas desde já se levanta a ponta do véu", afirmou, lembrando que, na quarta-feira, na Assembleia da República, ao fechar o debate sobre o OE2022, o primeiro-ministro, António Costa, "pediu uma maioria estável e duradoura para o PS".

"Afinal, o que o PS quer é uma maioria absoluta", atirou, sublinhado: "Mostra-se assim que não há orçamento, porque o PS não quis".

Segundo o líder do PCP, "o Governo recusou respostas e soluções, conduzindo a que o OE2022 não tenha sido aprovado" e, no futuro, "deve retirar ilações" do 'chumbo" do documento.

Por outro lado, se o Governo "tiver esse sentido de dar solução aos problemas, nada impede que apresente uma nova proposta de OE2022 e assuma os compromissos necessários além dele".

O OE2022 "não está destinado a ser rejeitado se contiver as respostas que o país precisa", defendeu, insistindo que "se o PS e o Governo concluírem que querem continuar a recusar o que faz falta ao país, então retirem definitivamente daí as suas conclusões".

De acordo com Jerónimo de Sousa, o PCP não deseja eleições, "nem elas são inevitáveis", porque "nada obriga a que da rejeição" do OE2022 "resulte a necessidade de dissolução da AR e de convocação de eleições".

"Nada impede que o Governo em funções responda ao que tem de responder no mais imediato", ou seja, "dar execução plena ao que o Orçamento do Estado deste ano tem inscrito e que está por executar" e "decidir sobre questões decisivas que estão para lá do orçamento, quer quanto a salários, direitos dos trabalhadores, preços da energia".

Também "nada impede que o Governo entre o ano de 2022 com gestão em duodécimos", afirmou, lembrando, a "quem tem memória curta", que "assim foi durante três meses em 2020, para já não falar do período ainda mais extenso em 2016".

O executivo liderado por António Costa pode entrar em 2022 com gestão em duodécimos "respondendo aos problemas", frisou Jerónimo de Sousa, atirando: "É uma questão de vontade e opção do Governo".

"O PCP não se bate por eleições, bate-se por soluções para o país, mas não as tememos e temos razões para as encarar com confiança", frisou.

Jerónimo de Sousa disse que "há quem questione sobre se não se corre o perigo de abrir a porta à direita" com o 'chumbo' do OE2022 e a realização de legislativas antecipadas.

"Quem escancara as portas à direita, quem lhe estende a passadeira vermelha, é quem não quer dar respostas aos problemas com que o povo está confrontado", avisou, referindo que "o que milhões de portugueses não compreendem é porque, havendo meios e condições para o fazer, o Governo recusa respostas e soluções para responder às exigências de uma vida melhor".

Jerónimo de Sousa pediu ao PS para que "se deixe de desculpas, não fique preso às amarras ao grande capital e use os poderes que tem para tomar essas medidas".

Também "haverá quem se interrogue" se o PCP exigiu "tudo" para o OE2022, continuou, referindo-o que o partido não se aproximou "sequer da política patriótica e de esquerda que daria a resposta que faz falta ao país".

"O que o PCP propôs ao Governo não foi dar tudo a todos. Foi responder aos problemas mais prementes. Quando é o próprio Governo que afirma que há recursos disponíveis como nunca, nós é que perguntamos se não é este o momento de responder aos problemas".

Na quarta-feira, o parlamento 'chumbou', na generalidade, o OE2022, com os votos contra de PSD, BE, PCP, CDS-PP, PEV, Chega e IL, abrindo caminho a eleições legislativas antecipadas.

O PS foi o único partido a votar a favor da proposta orçamental, que mereceu as abstenções do PAN e das duas deputadas não-inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras