Empresários do Minho apelam ao sentido de responsabilidade em nome do PRR

Empresários do Minho apelam ao sentido de responsabilidade em nome do PRR
| Política
Porto Canal com Lusa

A Associação Empresarial do Minho (AEM) apelou hoje ao “sentido de responsabilidade” para que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) não seja posto em causa na sequência do chumbo do Orçamento do Estado.

Em comunicado enviado à Lusa, a AEM, com sede em Braga, lembra que o PRR está a entrar “numa fase fundamental” e sublinha que “a vida política portuguesa não pode nunca pôr em causa este programa tão estrutural” para a economia portuguesa.

“Não podemos acrescentar às debilidades identificadas no processo de materialização deste programa uma irresponsabilidade política que prejudique a sua execução”, defende.

Para isso, a AEM apela ao “sentido de responsabilidade quer dos órgãos do Estado quer dos diversos atores da cena política portuguesa para que “não sejam postos em causa os mecanismos, projetos, financiamentos e programas a decorrer e que são estruturais para as empresas portuguesas e, consequentemente, para 80% dos cidadãos, que corresponde ao número de ativos empregados no setor privado”

“Este é o momento em que os agentes políticos têm a obrigação de demonstrarem a razão de ser da sua existência, ou seja, encontrar formas e soluções que viabilizem o país, que não estanquem o desenvolvimento económico, de forma a não porem em causa as empresas e os empregos, bem como todos os serviços, nomeadamente saúde, assistência social, educação e segurança”, acrescenta o comunicado.

O Orçamento do Estado para 2022 foi hoje chumbado, na generalidade.

“A economia tem de estar acima dos episódios políticos que venhamos a viver, sob pena de esvaziar a razão de ser do próprio sistema político”, remata a AEM.

+ notícias: Política

Rangel diz que caso de Sérgio Figueiredo é mais um "tique de absolutismo" do PS. Bloco de Esquerda e PCP dão o tema por encerrado

O vice-presidente do PSD lamenta o silêncio do ministro das Finanças enquanto evoluía a polémica à volta da contratação de Sérgio figueiredo para o seu ministério. Paulo Rangel denuncia ainda o facto de o contrato permanecer secreto e chama a este caso o primeiro-ministro António Costa. Já Bloco de Esquerda e PCP dão o caso por encerrado, ao contrário do Chega que ainda espera explicações do gioverno. 

PSD diz que incêndios "são problema político" a que Governo não dá "resposta à altura"

O PSD considerou esta quarta-feira que os incêndios são "um problema político" ao qual António Costa e o PS "não sabem, não estão a dar, uma resposta à altura" e acusou o Governo de ser "especialista em desresponsabilizar-se".

Ministro das Finanças lamenta não poder contar com "valioso contributo" de Sérgio Figueiredo

O ministro das Finanças, Fernando Medina, lamentou hoje "não poder contar com o valioso contributo de Sérgio Figueiredo ao serviço do interesse público", após a renúncia do antigo diretor de informação da TVI ao cargo de consultor do ministro.