Ana Catarina Mendes "triste" com chumbo do OE tal como "muitos portugueses"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 27 out 2021 (Lusa) - A líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, disse hoje estar "triste" com o 'chumbo' do Orçamento do Estado para o próximo ano e a legislatura ser interrompida, considerando que "há muitos portugueses" que partilham esse sentimento.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, logo após o debate e a votação da proposta de orçamento na generalidade, a socialista disse que lamenta "imenso que tenha sido chumbado".

"Disse lá dentro as razões pelas quais acho que este orçamento não deveria ter sido chumbado, agora entramos numa nova fase", frisou.

A líder do Grupo Parlamentar do PS considerou que "há muitos portugueses que estão hoje tristes" com o desfecho do processo orçamental e a possibilidade de eleições antecipadas.

"Tal qual eu estou triste por este ciclo não se ter completado e por não ter sido possível completar esta legislatura", afirmou.

Na opinião de Ana Catarina Mendes, "o que estava em cima da mesa não eram questões orçamentais, eram questões laterais que podiam ter sido trabalhadas noutra sede".

"Os nossos parceiros à esquerda sabiam-no, fizeram a sua escolha e agora vamos para o próximo momento", salientou ainda.

O parlamento 'chumbou' hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) com os votos contra do PSD, BE, PCP, CDS-PP, PEV, Chega e IL.

Na votação na generalidade, no plenário da Assembleia da República, o PS foi o único partido a votar a favor da proposta orçamental, que mereceu as abstenções do PAN e das duas deputadas não inscritas, Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

FM/MZVR (ACL) // SF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Rangel diz que caso de Sérgio Figueiredo é mais um "tique de absolutismo" do PS. Bloco de Esquerda e PCP dão o tema por encerrado

O vice-presidente do PSD lamenta o silêncio do ministro das Finanças enquanto evoluía a polémica à volta da contratação de Sérgio figueiredo para o seu ministério. Paulo Rangel denuncia ainda o facto de o contrato permanecer secreto e chama a este caso o primeiro-ministro António Costa. Já Bloco de Esquerda e PCP dão o caso por encerrado, ao contrário do Chega que ainda espera explicações do gioverno. 

PSD diz que incêndios "são problema político" a que Governo não dá "resposta à altura"

O PSD considerou esta quarta-feira que os incêndios são "um problema político" ao qual António Costa e o PS "não sabem, não estão a dar, uma resposta à altura" e acusou o Governo de ser "especialista em desresponsabilizar-se".

Ministro das Finanças lamenta não poder contar com "valioso contributo" de Sérgio Figueiredo

O ministro das Finanças, Fernando Medina, lamentou hoje "não poder contar com o valioso contributo de Sérgio Figueiredo ao serviço do interesse público", após a renúncia do antigo diretor de informação da TVI ao cargo de consultor do ministro.