Info

OE2022: PM diz-se muito empenhado em acordo, mas não "a qualquer preço"

| Política
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 22 out 2021 (Lusa) -- O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje em Bruxelas que o Governo vai fazer tudo ao seu alcance para chegar a um acordo sobre o Orçamento do Estado para 2022, mas advertiu que "um acordo não se obtém a qualquer preço".

"Nós vamos fazer tudo o que esteja ao nosso alcance para obter um acordo. Agora, um acordo não se obtém a qualquer preço, porque o preço não é pago do meu bolso, é pago pelo bolso do conjunto dos portugueses, da atual geração, das novas gerações e do futuro do país", declarou, numa conferência de imprensa após participar numa cimeira de líderes da UE.

Recordando que, no sábado, vai voltar a ter reuniões com Bloco de Esquerda e PCP, e reiterando que o trabalho intenso vai prosseguir, pois "enquanto houver estrada para andar, há que caminhar", e é isso que o Governo fará, António Costa advertiu então que há limites para as cedências que o seu executivo pode fazer, pois há que acautelar o futuro do país.

"Não podemos pôr em causa a credibilidade internacional que o pais recuperou, não podemos por em causa a sustentabilidade da segurança social que o pais recuperou, não nos podemos esquecer que temos uma das dívidas mais elevadas da Europa -- ainda hoje o Eurostat veio relembrar que temos a terceira divida mais alta da UE", declarou, justificando assim que um entendimento, por mais desejado que seja, "obviamente não pode ser a qualquer preço".

Insistindo que é "preciso garantir de uma forma responsável o amanhã", António Costa apontou que é assim que o Governo tem agido desde 2016: "foi assim que virámos a página da austeridade sem que o diabo tivesse aparecido, foi assim que, depois de 17 anos sem convergir com a UE, o país voltou a convergir, foi assim que resistimos a esta pandemia em 2020 e 2021", declarou.

O primeiro-ministro reiterou que o seu otimismo num compromisso que permita a viabilização do OE2022 na Assembleia da República deve-se sobretudo a uma questão de "racionalidade".

"Num quadro destes, que sentido é que faz, depois do drama [da pandemia da covid-19] que andámos a viver, criar agora um novo drama? Depois da crise [económica provocada pela pandemia] que tivemos, criar agora uma crise política? Eu não vejo que haja a menor racionalidade. Acho que ninguém compreende. Se fizerem uma sondagem aos portugueses a perguntar se alguém deseja uma crise política, se alguém compreende que haja hoje uma crise política, a resposta que toda a gente dirá é «não»", disse o chefe de Governo.

Hoje à noite, a Comissão Política do PS reúne-se para avaliar o estado das negociações do Orçamento com o BE, PCP, PEV e PAN, num quadro ainda de incerteza sobre a viabilização da proposta do Governo.

Esta reunião acontece cinco dias antes da votação na generalidade da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2022 e no final de uma semana em que as negociações entre executivo, PAN e partidos à esquerda do PS registaram escassa evolução em termos de perspetiva de acordo.

ACC/ANE/IG (PMF) // SF

Lusa/fim

+ notícias: Política

Ministro Eduardo Cabrita demite-se

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, demitiu-se hoje, na sequência da acusação de homicídio por negligência do Ministério Público ao seu motorista pelo atropelamento mortal de um trabalhador da autoestrada A6, em junho deste ano.

Militantes de Gaia desafiam PSD/Porto a "retratar-se de rutura" com as bases

O Movimento Reativar Gaia, de militantes daquela concelhia do PSD, quer que a distrital social-democrata do Porto "se retrate da rutura existente entre a estrutura e os seus militantes" e está a preparar uma "estratégia operativa" para as legislativas.

Governo aprova subida do salário mínimo para 705 euros a partir de janeiro

O Governo aprovou hoje a subida do salário mínimo para 705 euros a partir de 01 de janeiro, bem como os apoios às empresas para estes aumentos, adiantou o executivo, no final do Conselho de Ministros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.