Info

Julgamento de providência cautelar contra despedimentos no Santander adiado para dia 28

| Norte
Porto Canal com Lusa

Redação, 14 out 2021 (Lusa) -- A audiência de julgamento da providência cautelar contra o despedimento coletivo no Santander Totta foi hoje adiada para dia 28, a pedido dos sindicatos, para que possam "analisar e responder" à contestação entregue na quarta-feira pelo banco.

Segundo adiantou à agência Lusa o presidente do Mais Sindicato, António Fonseca, "a audiência não aconteceu porque o Santander apresentou uma contestação ontem [quarta-feira] ao final do dia", que só hoje de manhã foi entregue aos sindicatos.

"É um processo enorme, com mais de 200 páginas, e pedimos que nos dessem um tempo para analisar e responder àquilo que o Santander Totta apresentou", avançou, acrescentando que "o juiz autorizou".

De acordo com o dirigente sindical, os sindicatos têm agora "até dia 21 para dar a resposta", tendo ficado marcada uma nova audiência para dia 28 de outubro, às 10:00, no Tribunal do Trabalho de Lisboa.

As providências cautelares interpostas pelos sindicatos bancários da UGT Mais Sindicato, pelo Sindicato dos Bancários do Centro (SBC) e pelo Sindicato dos Trabalhadores do Setor Financeiro de Portugal (SBN) contra os despedimentos coletivos no BCP e no Santander Totta tiveram resposta diferente por parte da justiça, com o tribunal a recusar a primeira e a aceitar a segunda.

Num comunicado divulgado no passado dia 06, os sindicatos indicaram que, no caso do BCP, o tribunal decidiu liminarmente não aceitar a providência cautelar interposta pelos sindicatos, "por alegada ausência de prejuízos de difícil reparação".

Manifestando-se inconformados com esta decisão, os sindicatos afirmaram que vão interpor recurso da mesma.

Já no caso do Santander Totta, a providência cautelar contra o despedimento coletivo "foi liminarmente aceite", tendo ficado marcada para hoje a audiência de julgamento, no Tribunal do Trabalho de Lisboa.

Estas providências cautelares foram entregues em 30 de setembro, com os sindicatos a considerarem que está a ser feita uma "instrumentalização de um expediente legal para a aplicação de uma sanção a todos os que não aceitaram sair do banco por reforma ou rescisão por mútuo acordo".

No comunicado emitido em 06 de outubro, as três estruturas sindicais apelaram a ambas as instituições bancárias para que "suspendam de imediato qualquer ato relativo aos ilícitos e ilegais despedimentos que estão a promover".

Os principais bancos a operar em Portugal têm estado este ano a fazer processos de reestruturação, que passam nomeadamente pela saída de milhares de trabalhadores.

BCP e Santander Totta têm os processos mais 'agressivos', com despedimentos coletivos.

O BCP anunciou que vai fazer um despedimento coletivo de 62 trabalhadores. Quanto a outras saídas, o banco chegou a acordo com cerca 700 trabalhadores para saírem por rescisão por mútuo acordo, reforma antecipada e pré-reforma.

Já o Santander Totta pretende a saída de 685 trabalhadores. Fonte oficial do banco disse à Lusa em setembro que já foi acordada a saída com mais de 400 trabalhadores (reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo). A mesma fonte referiu que o banco continua a querer chegar a um acordo com os trabalhadores que evite o despedimento.

Mais de 200 trabalhadores do Santander Totta foram contactados para serem abrangidos por despedimento coletivo, segundo informações recolhidos pela Lusa.

PD (LT/JE/IM)// CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Hospital de Braga espera "para breve" consenso com chefes de equipa da Urgência

A administração do Hospital de Braga garantiu hoje, em comunicado, que há “avanços positivos no diálogo” com os chefes de equipa do Serviço de Urgência, adiantando que “espera alcançar um consenso em breve”.

Assalto com arma de fogo ao Posto dos Correios de Valadares, em Vila Nova de Gaia

Um motociclista, munido com uma arma de fogo, assaltou hoje o Posto dos Correios de Valadares, na Rua Ferreira de Castro, em Vila Nova de Gaia, tendo conseguido fugir às autoridades, revelou à Lusa fonte da PSP.

Juiz de instrução do Porto manda julgar grupo familiar por escravizar 14 pessoas

Um casal e um filho de ambos vão a julgamento por sujeitarem pelo menos 14 pessoas fragilizadas a trabalho escravo em explorações agrícolas espanholas, entre 2011 e 2016, determinou um juiz de instrução criminal do Porto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.