Info

OE2022: UGT considera proposta do Governo pouco ambiciosa

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 out 2021 (Lusa) - O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, considerou hoje que a proposta do Governo para o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) é pouco ambiciosa, não serve para todos e precisa de alterações importantes.

"A proposta de OE2022 é pouco ambiciosa e, ao contrário do que disse o ministro das Finanças [João Leão], este OE2020 não serve para todos", disse Carlos Silva à agência Lusa, defendendo que quem tem rendimentos mais baixos necessita de mais apoios.

Para o sindicalista, a proposta governamental "é uma primeira abordagem", esperando que a sua discussão no parlamento leve a melhorias, introduzidas pelos partidos de esquerda.

"É preciso ser mais ambicioso e introduzir alterações importantes ao OE2020", disse, defendendo que o Governo vai ter de fazer cedências aos partidos que o irão viabilizar.

Carlos Silva assegurou que "a UGT não vai condescender, porque o Governo tem de cumprir as promessas feitas no seu programa", nomeadamente a relativa ao aumento do salário mínimo para os 750 euros até 2023 e a relativa ao desbloqueio da contratação coletiva.

"Esperávamos que a proposta do Governo fosse mais além, nomeadamente nos salários", disse.

Para o líder da UGT, os aumentos previstos para os trabalhadores da Administração Pública, de 0,9%, "ficam muito aquém das necessidades dos trabalhadores".

"Apesar dos aumentos de 0,9% previstos e de o ministro das Finanças dizer que correspondem a um aumento da massa salarial de 2,5%, parece-nos pouco para compensar a erosão que os salários da administração pública sofreram nos últimos anos", afirmou.

Carlos Silva também considerou "insuficiente e tardio" o aumento de 10 euros a aplicar às pensões mais baixas em agosto de 2022 e defendeu que este aumento devia ser aplicado em janeiro.

O sindicalista considerou ainda que "a carga fiscal continua excessivamente elevada, continuando a castigar a classe média".

O Governo entregou na segunda-feira à noite, na Assembleia da República, a proposta de Orçamento do Estado para 2022, que prevê que a economia portuguesa cresça 4,8% em 2021 e 5,5% em 2022.

A taxa de desemprego portuguesa descerá para os 6,5% no próximo ano, "atingindo o valor mais baixo desde 2003", segundo o Governo.

A dívida pública deverá atingir os 122,8% do PIB em 2022, face à estimativa de 126,9% para este ano.

O primeiro processo de debate parlamentar do OE2022 decorre entre 22 e 27 de outubro, dia em que será feita a votação, na generalidade. A votação final global está agendada para 25 de novembro, na Assembleia da República, em Lisboa.

RRA // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Cerca de 40% dos deputados do PSD eleitos em 2019 vão ficar fora do parlamento

Dos 79 deputados eleitos pelo PSD em 2019, 28 estão fora das listas de candidatos a deputados para as legislativas, a que se somam outros quatro indicados em lugar inelegível, o que corresponde a 40% do total.

Primeiro-ministro destaca importância de parcerias entre empresas e universidades

O primeiro-ministro, António Costa, destacou hoje a importância das parcerias entre as universidades e as empresas para "transformar conhecimento em valor" e, desse modo, "gerar mais e melhor emprego, mais bem remunerado".

José Luís Carneiro prevê "ajustes de contas" de Rui Rio 

José Luís Carneiro, Secretário-geral adjunto do PS, disse, em declarações ao Porto Canal, numa reunião com os autarcas de Braga, que prevê "ajustes de contas de Rui Rio" e, acrescentou ainda que "o PSD tem um trabalho de casa a fazer para se tornar num partido que tenha outra credibilidade para assumir funções executivas". 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.