Sete mortes, 306 infeções e aumento dos internamentos nas últimas 24 horas

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 set 2021 (Lusa) -- Portugal registou nas últimas 24 horas mais 306 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e um aumento nos internamentos em enfermaria.

O número de novos casos é o mais baixo desde 24 de maio, dia em que foram notificadas 241 novas infeções.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), estão hoje internadas 471 pessoas com covid-19, mais 16 do que no domingo, 82 das quais em unidades de cuidados intensivos, menos quatro nas últimas 24 horas.

O total de casos acumulados apresenta menos nove relativamente ao dia anterior na região do Centro, resultante da correção de 34 casos após revisão da sua classificação, explica a DGS.

As mortes ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo (4), na região Centro (2) e no Algarve (1).

Relativamente às idades das vítimas, três tinham mais de 80 anos, uma entre os 70 e os 79, duas entre os 60 e os 69 e uma entre os 50 e os 59.

GC // HB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Descentralização na ação social aprovada com reforço de 35 milhões de euros. Prazo limite adiado para 3 de abril

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e o Governo chegaram, esta terça-feira, a acordo no processo de descentralização de competências para a área da Ação Social, após o Governo ter anunciado um aumento da verba anual a transferir para as autarquias de 56,1 milhões de euros para 90,8 milhões.

Ministério da Defesa Nacional. É tempo de esperar "serenamente", vinca Marcelo sobre investigações

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que se deve aguardar o resultado da investigação que envolve o Ministério da Defesa Nacional "serenamente, sem formular juízos prévios".

Diretor da PSP convicto de que “não há racismo estrutural” na PSP

O diretor nacional da Polícia de Segurança Pública manifestou-se, esta terça-feira, convicto de que “não há racismo estrutural” na PSP, considerando que a esmagadora maioria dos polícias “não é racista, nem extremista”.