Info

Nove mortos em atentado suicida em Mogadiscio

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Mogadíscio, 14 set 2021 (Lusa) - Pelo menos nove pessoas, na sua maioria membros das forças de segurança da Somália, morreram hoje num presumível atentado suicida contra um posto de controlo em Mogadíscio, capital do país da África Oriental, segundo a polícia e testemunhas.

O posto de controlo era um local de encontro frequente das forças de segurança, disse Mohamed Ali, da polícia somali.

"A investigação ainda está em curso, mas de acordo com indicações atuais, terá sido um bombista suicida que causou a explosão", disse Mohamed Ali.

Seis membros das forças de segurança e três civis foram mortos e outros 11 ficaram feridos, adiantou.

O ataque foi reivindicado por rebeldes do Al-Shabaab, islamistas radicais afiliados à Al-Qaeda, que lutam contra o governo federal da Somália desde 2007 e têm levado a cabo inúmeros ataques.

"Passei pela zona poucos minutos depois da explosão, o caos reinava em toda a área com sapatos abandonados pertencentes às vítimas", disse uma testemunha, Kudow Yusuf.

Outra testemunha, Adan Hussein, disse que viu vários corpos, alguns de uniforme, a serem transportados para ambulâncias.

Em agosto, os rebeldes do Al-Shabaab reivindicaram a responsabilidade por um atentado suicida num café em Mogadíscio que matou duas pessoas e feriu outras cinco.

O grupo 'jihadista' controlou a capital até 2011, quando foi expulso pelas tropas da União Africana. Contudo, ainda controla territórios rurais e lança ataques frequentes contra alvos governamentais e civis em Mogadíscio e noutros locais.

HN // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

CEO Intellcorp diz que "a situação de extração no Afeganistão, mesmo com negociação, tem um risco moderado a alto"

O CEO Intellcorp, Ruben M. Ribeiro, disse, em declarações exclusivas ao Porto Canal, que "a situação de extração no Afeganistão, mesmo com negociações e planeamentos, tem um risco moderado a alto". 

UE vai doar mais 200 milhões de vacinas a paises de baixo rendimento - Von der Leyen

 A União Europeia (UE) quer acelerar a vacinação da covid-19 nos países com baixo rendimento e vai doar mais 200 milhões de doses até meados de 2022, anunciou hoje a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.