Info

António Almeida & Filhos vendida por 3,5 milhões à Domingos Almeida

António Almeida & Filhos vendida por 3,5 milhões à Domingos Almeida
| Norte
Porto Canal com Lusa

A assembleia de credores da empresa António de Almeida & Filhos, no concelho de Guimarães, aprovou hoje a venda da têxtil à Domingos Almeida, por 3,5 milhões de euros, após 99,85% dos votos terem sido favoráveis.

A sessão ainda em curso no Tribunal de Guimarães reuniu os detentores de 88,77% dos créditos da empresa insolvente, entre os quais o Novo Banco, que também votou a favor enquanto maior credor - detentor de 39% do passivo total de 23,4 milhões de euros.

Outros dos principais credores como o Fundo Autónomo de Apoio à Concentração e Consolidação de Empresas (FACCE), com 900 mil euros, e o Banco Comercial Português, com 143 mil euros, votaram igualmente a favor.

Um dos credores votou contra a liquidação e a venda da empresa sediada na freguesia de Moreira de Cónegos, criada em 1956, com cerca de 200 trabalhadores, enquanto três abstiveram-se.

A venda da António de Almeida & Filhos à Domingos Almeida, empresa têxtil da vizinha freguesia de Lordelo, também no concelho de Guimarães, consumou-se depois do administrador da insolvência ter requerido a "ratificação" da proposta, por ser a "de maior valor económico" face às outras duas apresentadas, indica um documento a que a Lusa acedeu.

As outras empresas que se mostraram interessadas na têxtil até às 10:00 de 30 de agosto, prazo-limite para a entrega de propostas, foram a JF Almeida, que apresentou as opções de 3,1 milhões de euros no imediato, 4,4 milhões a quatro anos ou 6,2 milhões de euros a seis anos, e a Mabera, que ofereceu um euro, valor inferior aos três milhões de euros regulamentados como preço-base.

A Domingos Almeida passa, assim, a deter todo o inventário e equipamento da AAF, um imóvel e todo o equipamento da empresa Morecoger e seis prédios da Moretextile imobiliária, assim como as "posições contratuais nos contratos de trabalho referentes à totalidade dos trabalhadores" afetos à atividade destas empresas, refere um dos documentos relacionados com este processo.

O administrador da insolvência reconheceu que o processo se pode estender por mais três meses até à assinatura do contrato definitivo de compra e venda e vincou a necessidade de, nesse intervalo, iniciar a "gestão precária o mais rapidamente possível", para se garantir as matérias-primas utilizadas na produção e o pagamento dos salários de setembro.

Bruno Costa Pereira adiantou também que a Domingos Almeida vai constituir uma nova sociedade para gerir a António de Almeida & Filhos.

A António Almeida & Filhos é a última empresa do grupo Moretextile, que, em 2011, resultou da fusão entre a Coelima, a José Machado de Almeida (JMA) e a AAF e cujo acionista principal é o Fundo de Recuperação gerido pela ECS Capital.

Também declarada insolvente, em abril passado, a Coelima (de Pevidém, Guimarães) foi vendida em junho à Mabera por 3,637 milhões de euros, enquanto a JMA Felpos (situada em São Martinho do Campo, Santo Tirso) foi comprada pela Felpinter por 3,97 milhões de euros.

+ notícias: Norte

A28 cortada no sentido norte-sul em Vila do Conde para remoção de camião acidentado

O trânsito está cortado no sentido norte-sul da Autoestrada 28 (A28) junto ao 'outlet' de Vila do Conde, desde 10:45 e previsivelmente até cerca das 14:00, para remoção de um camião de lixo acidentado, informou hoje a GNR.

Técnicos de educação lutam contra a contratação precária e o direito à mobilidade no Porto

Cerca de 30 profissionais de educação concentraram-se na manhã desta sexta-feira, em frente à Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares, no Porto, para lutarem contra a contratação precária e também pelo direito à mobilidade, ou seja, lutam para que "consigam ficar em escolas próximas do local de residência". 

Ministra da Saúde admite que "o modelo de funcionamento da Psiquiatria do Porto precisa de ser revisto"

A Ministra da Saúde, Marta Temido, disse, em declarações ao Porto Canal, numa visita ao Hospital Conde Ferreira no Porto, que "o modelo de funcionamento da Urgência de Psiquiatria da área metropolitana do Porto precisa de ser revisto". A Ministra acrescentou ainda que "este modelo de funcionamento tem servido a necessidade da população", no entanto já é um modelo com "algum tempo de funcionamento".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.