Incêndio de Vila Pouca de Aguiar em fase de rescaldo 

Incêndio de Vila Pouca de Aguiar em fase de rescaldo 
| Norte
Porto Canal com Lusa

O incêndio que deflagrou na noite de domingo numa zona de mato da localidade de Soutelo de Matos, em Vila Pouca de Aguiar, está em fase de rescaldo, disse hoje à Lusa fonte da Proteção Civil.

"O incêndio entrou em fase de rescaldo às 02:34", afirmou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Vila Real.

Nas operações de rescaldo estão 127 operacionais, apoiados por 41 viaturas, no local, indicou.

Cerca das 00:26, fonte do CDOS de Vila Real disse à Lusa que o incêndio "pode ficar dominado daqui a uma hora, uma hora e meia".

O fogo teve início pelas 23:25 de domingo, numa zona de mato da localidade de Soutelo de Matos, na freguesia de Pensalvos e Parada de Monteiros, mas na tarde de segunda-feira, pelas 15:30, verificou-se uma reativação.

Cerca de dez pessoas, idosos e uma criança, foram retiradas por precaução de quatro casas.

Dois bombeiros foram também assistidos por inalação de fumos.

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.