Info

Pintora Graça Morais mostra em Bragança inéditos sobre as "Inquietações" do Mundo

| Norte
Porto Canal com Lusa

Bragança, 28 jul 2021 (Lusa) -- A pintora Graça Morais transformou "o medo, a angústia e a solidão", do último ano e meio, em arte que vai mostrar na primeira exposição de inéditos depois da pandemia, no Centro de Arte Contemporânea de Bragança.

"Inquietações" é o tema que escolheu para a exposição com 52 pinturas e uma instalação, que abre ao público na sexta-feira, e pode ser visitada até 23 de janeiro, no centro de arte com o nome da pintora transmontana.

"E eu gostava que esta exposição fosse vista como se lê um livro de um filosofo, de um grande escritor, como um filme, e que marca uma época, um período em que muita gente sofreu imenso, porque [as pessoas] perderam os seus entes queridos e nem se puderam despedir deles", partilhou com a Lusa.

A artista está a acompanhar, em Bragança, a preparação da mostra desta série de trabalhos que começou a pintar em março de 2020, logo que foi decretado o primeiro confinamento.

Graça Morais contou à Lusa que, em vez de ficar fechada em casa, resolveu fazer um 'autoconfinamento' no estúdio que tem em Lisboa, sempre rodeada de jornais, que são também uma das novidades da nova exposição.

"Esta obra foi feita em carne viva", desabafou, pois pelo meio teve problemas de saúde, foi operada aos olhos e ao coração.

Foi através das preocupações pessoais, dos próprios medos e das notícias que "anunciavam sempre qualquer coisa de ameaçadora que estava a tocar as pessoas e o Mundo", não só a pandemia, como o terrorismo, as catástrofes, as injustiças perante os migrantes, que começou a fazer estas obras.

"Estas obras nasceram de uma urgência que eu sentia em fugir ao medo, em fugir à doença, em fugir de facto à ameaça. E recriei outro mundo, mas que tem a ver, sobretudo com pessoas", concretizou.

O olhar das pessoas sobressai nos novos quadros, mas sem as máscaras que Graça Morais está "farta de ver", embora continue a usar, porque "as pessoas deixaram de ter rosto, só se veem os olhos".

"Nós começamos a dialogar com as pessoas através do olhar, e as pessoas anónimas com quem eu me cruzava na rua, a maioria dos olhares que eu via na rua, eram de desconfiança, de receio, de medo, raramente encontrava olhares que nos trouxessem paz", observou.

Esses olhares estão presentes nos novos quadros, onde continuam a surgir as metamorfoses de pessoas e animais características da artista, mas também a influência das imagens pintadas há séculos na Capela Sistina, por Michelangelo, e que se repetem no mundo atual.

"Eu tenho no meu estúdio três grandes volumes sobre o restauro da Capela Sistina do Michelangelo, e aqueles três volumes alimentaram-me o meu espírito; ao mesmo tempo eu sentia que muitas daquelas figuras eram as mesmas que eu encontrava nos jornais", explicou.

Outra influência para esta série surgiu nos jornais e revistas que a pintora continua a comprar em papel, porque gosta de sentir o cheiro e o tato.

As notícias e imagens que lê e vê criam na pintora "um imaginário do mundo", que recria a partir da cultura como artista.

Por isso, lembrou-se de "mostrar ao público a importância dos jornais" com uma instalação que vai ocupar uma sala do Centro de Arte Contemporânea, que terá as paredes forradas com jornais e, sobre eles, pinturas e desenhos em papel vegetal sobre a temática da exposição.

"Achei que nesta exposição eu devia guardar uma sala só para colar folhas de notícias que eu fui lendo ao longo deste ano e meio", salientou, confessando que é pouco adepta da falta de contacto físico e da pressão das redes sociais e da Internet.

Esta sala é ao mesmo tempo uma recordação de infância de Graça Morais que, na aldeia transmontana do Vieiro (Vila Flor), onde mantém um 'atelier', via as mulheres, por altura das limpezas da Páscoa, a lavaram as paredes das cozinhas tisnadas pelo fumo das lareiras, e a forrarem-nas com jornais colados com cola de farelo.

"E eu recordo que, miúda, achava muita graça aos jornais e gostava de ler as notícias, só que algumas não as conseguia ler, porque estavam postos ao contrário, pois as mulheres não sabiam ler e colavam os jornais conforme lhes dava mais jeito", contou.

A exposição "Inquietações" tem curadoria de Joana Baião e Jorge da Costa, e fica patente, no Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança, em simultâneo com a exposição "Beyond, Between, Here and There", da artista polaca Magdalena Kleszynska.

HFI // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Fundação de Serralves abre concurso público para ampliação de museu

O concurso público para a ampliação do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, foi publicado hoje em Diário da República, com um valor-base de 8,2 milhões de euros e um prazo de conclusão de 500 dias.

Presidente do Turismo e Norte diz que "este último ano e meio foi muito intenso a nível de trabalho"

O Presidente do Turismo Porto e Norte, Luís Pedro Martins, falou, em declarações ao Porto Canal, na manhã desta segunda-feira, sobre o Turismo a nível do Norte e, disse que "este último ano e meio foi muito intenso a nível de trabalho e grande atividade". 

Homem morre esfaqueado em Matosinhos 

Um homem morreu esfaqueado, na noite deste domingo, em Matosinhos, na rua Guilherme Felgueiras. O alerta foi dado pela 22h30.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.