Info

Tribunal baixa para 11 anos de prisão pena de jovem que matou pai em Barcelos

Tribunal baixa para 11 anos de prisão pena de jovem que matou pai em Barcelos
| Norte
Porto Canal com Lusa

O Tribunal de Braga baixou para 11 anos de prisão a pena de um jovem que, em julho de 2019, matou o pai à machadada em Pereira, Barcelos, por acórdão a que a Lusa hoje teve acesso.

Há cerca de um ano, o mesmo tribunal tinha condenado o arguido a 17 anos de prisão, mas a Relação de Guimarães mandou repetir o julgamento, considerando ter havido erro notório na apreciação da prova e contradição insanável na argumentação do acórdão.

Na nova decisão, datada de 15 de julho, o Tribunal de Braga mantém a condenação do arguido por homicídio qualificado, mas aplica o regime especial para jovens, que implica uma atenuação da pena.

À data dos factos, o arguido tinha 16 anos.

No julgamento, o arguido confessou o crime, explicando que o seu objetivo foi acabar com o alegado "inferno" criado em casa pelo progenitor.

O homicídio ocorreu em 26 de julho de 2019, um dia depois de a vítima ter regressado de França, onde estivera emigrado desde janeiro.

O arguido disse que o pai andava constantemente embriagado, discutia recorrentemente com a mãe, sobretudo por questões de dinheiro, e que a insultava "quase todos os dias".

Além disso, admitiu também que ficava "intimidado" com os "toques" que o pai "de vez em quando" lhe dava nas costas, nos ombros e nas virilhas, atribuindo-lhes um cariz sexual.

No dia dos factos, ao almoço, o pai terá voltado a insultar a mãe do arguido.

A mãe foi, entretanto, trabalhar e o pai foi "dormitar", para o quarto.

O arguido pegou numa machada e desferiu um número não concretamente apurado de golpes no pai, que o atingiram, além do mais, na cabeça, face, peito, membros e órgãos genitais, acabando por lhe provocar a morte.

A mãe do arguido disse, em tribunal, ter vivido "muito aterrorizada" com o comportamento do marido e que o filho "tinha sempre muito medo do pai".

"Até hoje ainda não acredito que o meu filho tenha feito aquilo. Ele morria de medo de objetos que cortassem. Teve de acontecer alguma coisa de muito grave, mas ele nunca me contou, porque é muito fechado, muito reservado", referiu.

No acórdão, o coletivo de juízes considerou que o arguido e a mãe "carregaram nas tintas", para transmitirem uma imagem "o mais negativa possível" da vítima e, assim, justificarem o homicídio.

Embora admitam que o aquele ambiente familiar "não era, propriamente, o melhor", com discussões e insultos, os juízes não encontraram "razões concretas que, racional e objetivamente enquadradas, permitam compreender" o comportamento do arguido.

Para o tribunal, o arguido emprestou à execução dos factos "assinalável violência", agindo com dolo muito intenso.

Além disso, em julgamento não manifestou arrependimento.

Em abono do arguido, o tribunal considerou a inexistência de antecedentes criminais, a sua idade e as suas condições de "adequada" inserção social, familiar e escolar além da confissão que, em julgamento, fez dos factos.

+ notícias: Norte

Surto de Covid-19 em Creche da Misericórdia da Maia infeta dez crianças, uma educadora e uma auxiliar

Um surto de Covid-19 numa Creche da Santa Misericórdia da Maia, em Nogueira, infetou pelo menos dez crianças, uma educadora e uma auxiliar. Ao que apurou o Porto Canal, 59 crianças, três educadoras e três auxiliares encontram-se em isolamento. 

Encerramento da Refinaria de Matosinhos coloca em risco milhares de empregos na Área Metropolitana do Porto

                                                        

Artista de rua é agredida pelos proprietários dos restaurantes da Ribeira do Porto

                                                 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.