'Task force´ reconhece falta de vacinas para responder aos autoagendamentos

'Task force´ reconhece falta de vacinas para responder aos autoagendamentos
| País
Porto Canal com Lusa

A 'task force´ da vacinação reconheceu hoje a falta de vacinas para responder à elevada procura dos autoagendamentos de pessoas mais novas, mas salientou que continuam a ser administradas entre 100 e 100 mil doses por dia.

"Nesta fase, e embora se continue a inocular cerca de 100 a 110 mil vacinas por dia, existe, também face à necessidade de cumprir com as segundas doses, uma rarefação de vacinas, que limita a capacidade de corresponder à enorme afluência ao processo de vacinação nestas faixas etárias mais novas", adiantou à Lusa fonte da estrutura que coordena a logística da vacinação.

Perante isso, a 'task force´ liderada por Gouveia e Melo reconheceu que, em alguns dos cerca de 300 centros de vacinação covid-19 disponíveis em Portugal continental, "possa, momentaneamente, existir algum atraso no processo de agendamento".

"As vagas para agendamento disponíveis no portal são geridas de acordo com uma matriz, elaborada em função da disponibilidade de vacinas e da capacidade de vacinação dos locais", explicou ainda a mesma fonte.

Hoje, a ministra da Saúde anunciou que o Governo está a negociar com a Comissão Europeia e alguns Estados-membros para que Portugal receba antecipadamente mais doses de vacina contra a covid-19 da Pfizer.

Na terça-feira, o coordenador do plano de vacinação contra a covid-19 avançou que as vagas para o autoagendamento estão esgotadas em alguns concelhos, devido à elevada procura face ao número de vacinas disponíveis.

"O país tem concelhos diferentes com capacidades diferentes. Há sítios em que já se esgotaram as vagas que havia para o autoagendamento e há outros sítios em que não se esgotaram", afirmou Henrique Gouveia e Melo, após ter sido homenageado em Vila Real.

Segundo o coordenador da 'task force´ da logística da vacinação, que não especificou os locais onde as vagas para o autoagendamento estão esgotadas, "não há vacinas para vacinar milhões de pessoas".

"As pessoas que chegaram primeiro ao autoagendamento estão à espera de serem vacinadas. Depois destas pessoas serem vacinadas, abrirá novamente outras vagas para outras pessoas serem vacinadas", assegurou o vice-almirante.

A 12 de julho ficou disponível o autoagendamento da vacina contra a covid-19 para pessoas com 23 ou mais anos no portal da Direção-Geral da Saúde destinado a estas marcações.

O portal para autoagendamento entrou em funcionamento em 23 de abril para pessoas com 65 ou mais anos e, desde então, tem ficado disponível para marcações das faixas etárias dos 50, 40 e 30 e, mais recentemente, dos 20 anos.

Também na terça-feira, o vice-almirante Gouveia e Melo perspetivou que, no final de setembro, "praticamente toda a população" elegível para este processo estará vacinada.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.219 pessoas e foram registados 935.246 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

+ notícias: País

Já são conhecidas as medidas de coação no caso de tráfico humano no Alentejo

O juiz Carlos Alexandre determinou que 23 dos arguidos, todos eles estrangeiros, ficam em prisão preventiva, outros oito que também ficaram com essa medida têm a possibilidade de passar a ter pulseira eletrónica em prisão domiciliária. Quatro portugueses saem em liberdade, mas ficam proibidos de contactos e com apresentações periódicas às autoridades.

Horários alargados em 176 centros de saúde a nível nacional

Quase duas centenas de centros de saúde estão já a funcionar em todo o país com horário alargado, disponível para consulta no portal do SNS, uma medida que visa diminuir a pressão sobre as urgências hospitalares.

Adão e Silva não vai ao Qatar "contra instâncias que dirigem o futebol mundial." As polémicas do ministro-adepto

Pedro Adão e Silva, em entrevista ao semanário Expresso, garante que não vai ao Mundial de 2022 mesmo que a Seleção Nacional chegue à final. O atual ministro da Cultura defende que o seu lugar no futebol “é no Estádio da Luz”.