Info

Metro do Porto reduz operação na noite de São João devido às limitações impostas pela pandemia de covid-19

Metro do Porto reduz operação na noite de São João devido às limitações impostas pela pandemia de covid-19
| Norte
Porto Canal com Lusa

A Metro do Porto revelou hoje que a operação na noite de São João, de quarta para quinta-feira, será reduzida e que, devido às limitações impostas pela pandemia de covid-19, não haverá reforço de horários como em anos anteriores.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a empresa Metro do Porto refere que vai disponibilizar uma oferta idêntica a um domingo, o que contrasta com a decisão tomada em 2019, ano pré-pandemia, no qual a circulação fez-se sem interrupções.

"A operação do Metro do Porto no S. João 2021 faz-se em modo reduzido, fruto das limitações impostas pela pandemia. Embora se mantenha o funcionamento comercial nos horários habituais [entre as 06:00 e a 01:00], este ano não haverá reforço da oferta nem prolongamento da operação", refere a empresa.

No texto, que tem como título "São João com metro - mas só até à 01:00 e sem reforço" e que vai ser divulgado nos canais oficiais da Metro do Porto, lê-se que "quer na noite de 23 [quarta-feira] quer durante todo o dia 24 [quinta-feira] será disponibilizada uma oferta idêntica à de um domingo".

Na sexta-feira, o metro retoma a sua operação regular.

Esta oferta contrasta com o que foi disponibilizado em 2019, ano em que o metro esteve em circulação durante toda a noite de São João.

A 18 de junho desse ano, a Metro do Porto anunciou no seu 'site' que a circulação far-se-ia sem interrupções "para tornar mais tranquilas as idas e vindas dos arraiais, sardinhadas e bailaricos".

Mas hoje, e atendendo ao cenário pandémico atual, a empresa sublinha no comunicado que "privilegia a segurança dos seus clientes e trabalha no São João 2021 em estreita cooperação com a PSP".

Em causa está a noite de quarta para quinta-feira, referida como a noite mais longa do ano no Porto, devido aos festejos populares de São João.

No Grande Porto estas festas repetem-se por vários concelhos, sendo que tradicionalmente é no Porto e em Vila Nova de Gaia que tem lugar o maior número de eventos públicos de entretenimento.

Contudo, à semelhança do ano passado, as duas câmaras municipais já anunciaram a proibição de eventos que impliquem ajuntamentos, nomeadamente concertos ou fogo-de-artifício.

Também a PSP do Porto avançou hoje que vai reforçar o policiamento de quarta para quinta-feira e apelou ao cumprimento das regras.

"Solicita-se a melhor compreensão e colaboração de todos no cumprimento das regras impostas no presente quadro pandémico, acatando e respeitando as indicações dos polícias que estarão ao serviço da comunidade", referiu o Comando Metropolitano do Porto da PSP em comunicado.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.875.359 mortos no mundo, resultantes de mais de 178,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.074 pessoas e foram confirmados 866.826 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

+ notícias: Norte

Vacinas da Janssen administradas a mulheres com menos de 50 anos em Paredes 

O centro de vacinação do Rota dos Móveis, em Lordelo, no concelho de Paredes, está, alegadamente, a administrar vacinas da Janssen a mulheres com menos de 50 anos, segundo apurou o Porto Canal.

Incêndio destrói parte do telhado do Palácio da Justiça no Porto. Veja as imagens

Um incêndio deflagrou, na tarde desta sexta-feira, por volta das 15h33, no Campo dos Mártires da Pátria, na cobertura do Palácio da Justiça, no Porto, fazendo com que o edífício fosse evacuado e acabou por destruir parte do telhado. Em declarações aos jornalistas, Rui Moreira, Presidente da Câmara Municipal do Porto, afirmou que "o incêndio está estabilizado e a preocupação princpial foi retirar todos os presentes do interior".

Atualizado 23-07-2021 16:20

Pinto da Costa afirma que o Governo e DGS "estão a matar o futebol"

O Presidente do Futebol Clube do Porto, Pinto da Costa, acusou o Governo e a DGS de estarem a "a matar o futebol", em declarações ao Porto Canal. O Presidente dos 'Dragões' afirma que "se pudesse importava os líderes das ilhas portuguesas para Portugal".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

O efeito do observador - Centro de...