Info

Metro do Porto reduz operação na noite de São João devido às limitações impostas pela pandemia de covid-19

Metro do Porto reduz operação na noite de São João devido às limitações impostas pela pandemia de covid-19
| Norte
Porto Canal com Lusa

A Metro do Porto revelou hoje que a operação na noite de São João, de quarta para quinta-feira, será reduzida e que, devido às limitações impostas pela pandemia de covid-19, não haverá reforço de horários como em anos anteriores.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a empresa Metro do Porto refere que vai disponibilizar uma oferta idêntica a um domingo, o que contrasta com a decisão tomada em 2019, ano pré-pandemia, no qual a circulação fez-se sem interrupções.

"A operação do Metro do Porto no S. João 2021 faz-se em modo reduzido, fruto das limitações impostas pela pandemia. Embora se mantenha o funcionamento comercial nos horários habituais [entre as 06:00 e a 01:00], este ano não haverá reforço da oferta nem prolongamento da operação", refere a empresa.

No texto, que tem como título "São João com metro - mas só até à 01:00 e sem reforço" e que vai ser divulgado nos canais oficiais da Metro do Porto, lê-se que "quer na noite de 23 [quarta-feira] quer durante todo o dia 24 [quinta-feira] será disponibilizada uma oferta idêntica à de um domingo".

Na sexta-feira, o metro retoma a sua operação regular.

Esta oferta contrasta com o que foi disponibilizado em 2019, ano em que o metro esteve em circulação durante toda a noite de São João.

A 18 de junho desse ano, a Metro do Porto anunciou no seu 'site' que a circulação far-se-ia sem interrupções "para tornar mais tranquilas as idas e vindas dos arraiais, sardinhadas e bailaricos".

Mas hoje, e atendendo ao cenário pandémico atual, a empresa sublinha no comunicado que "privilegia a segurança dos seus clientes e trabalha no São João 2021 em estreita cooperação com a PSP".

Em causa está a noite de quarta para quinta-feira, referida como a noite mais longa do ano no Porto, devido aos festejos populares de São João.

No Grande Porto estas festas repetem-se por vários concelhos, sendo que tradicionalmente é no Porto e em Vila Nova de Gaia que tem lugar o maior número de eventos públicos de entretenimento.

Contudo, à semelhança do ano passado, as duas câmaras municipais já anunciaram a proibição de eventos que impliquem ajuntamentos, nomeadamente concertos ou fogo-de-artifício.

Também a PSP do Porto avançou hoje que vai reforçar o policiamento de quarta para quinta-feira e apelou ao cumprimento das regras.

"Solicita-se a melhor compreensão e colaboração de todos no cumprimento das regras impostas no presente quadro pandémico, acatando e respeitando as indicações dos polícias que estarão ao serviço da comunidade", referiu o Comando Metropolitano do Porto da PSP em comunicado.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.875.359 mortos no mundo, resultantes de mais de 178,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.074 pessoas e foram confirmados 866.826 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

+ notícias: Norte

Rui Moreira toma hoje posse para terceiro e último mandato no Porto

O independente Rui Moreira toma hoje posse para o terceiro e último mandato como presidente da Câmara Municipal do Porto e, após ter vencido as autárquicas de setembro sem maioria absoluta, estabeleceu um acordo de governação com o PSD.

Trabalhadores das cantinas do Instituto Politécnico do Porto protestam pela reabertura das empresas

Os trabalhadores das cantinas do Instituto Politécnico do Porto, protestaram pela reabertura das empresas, na passada terça-feira. Em declarações ao Porto Canal, os trabalhadores mostram-se "muito preocupados" porque "não se encontram no desemprego e é difícil suportar todas as despesas no dia a dia".

Militares trabalham num posto da GNR de Matosinhos em perigo de ruína

Cerca de 70 militares trabalham num posto da GNR de Matosinhos em perigo de ruína. Em declarações ao Porto Canal, César Nogueira da Associação de Profissionais da Guarda, espera que "o Ministério da Administração Interna não esteja à espera que aconteça uma tragédia para se resolver a situação da degradação do edifício".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS