Info

Interposta providência cautelar para suspender Declaração Ambiental do paredão de Leixões

Interposta providência cautelar para suspender Declaração Ambiental do paredão de Leixões
| Norte
Porto Canal com Lusa

A Associação Negociata interpôs uma providência cautelar que visa suspender o ato administrativo da Declaração de Impacto Ambiental do prolongamento do quebra-mar de Leixões, em Matosinhos, e, consequentemente, a sua adjudicação, avançou hoje à Lusa o advogado do processo.

"Se suspendendo uma [Declaração de Impacto Ambiental] a outra [empreitada] acaba por ter como consequência também ficar suspensa", explicou o advogado Miguel Santos Pereira.

O estudo e a declaração de impacto ambiental padecem de uma "série de vícios e nulidades", defendeu.

"E se esta [Declaração de Impacto Ambiental] tem vícios que a colocam em causa, obviamente que a obra também vai ser colocada em causa", frisou o advogado.

Com um prazo de execução de 30 meses, a empreitada de melhoria das acessibilidades marítimas do Porto de Leixões, em Matosinhos, no distrito do Porto, que compreende o prolongamento do quebra-mar em 300 metros e a dragagem da bacia de rotação, implica um investimento de 147 milhões de euros.

A 30 de março, a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) revelou à Lusa que a obra de prolongamento do quebra-mar já foi consignada, estando a empresa a preparar o seu arranque.

Miguel Santos Pereira afirmou que a providência cautelar "vem dizer", na sequência de uma recomendação da Assembleia da República, que o estudo e a avaliação de impacto ambiental que foi feita relativamente a esta matéria "não foi exaustiva, nem verificou todos os impactos e condicionantes, nem de que forma estavam salvaguardadas todas as questões ambientais na região envolvente".

O advogado recordou que o parlamento recomendou ao Governo que suspenda a adjudicação do quebra-mar de Leixões e outras obras associadas à expansão do porto, promovendo uma reanálise "apurada, rigorosa e global" de todos os projetos.

As quatro recomendações que o Parlamento aprovou, em 16 de outubro de 2020, tiveram origem numa petição com o nome "Diz Não ao Paredão", lançada em março de 2019, por este movimento.

"Quando há uma circunstância dessas em que a própria Assembleia da República, para um projeto concreto, faz uma resolução a pedir que sejam feitos estudos exaustivos e novos estudos de impacto ambiental mais profundos, as pessoas perceberam que algo não estava bem", referiu.

Em causa estão "questões ambientais puras e alguns impactos de relevância", sustentou Miguel Santos Pereira.

A "falta de fundamentação" do ponto de vista das questões ambientais é "atroz", classificou o advogado, apontando ainda "vícios de forma" assentes no facto da declaração não estar assinada e datada.

A isto, Miguel Santos Pereira acrescentou que numa avaliação deste género deve ser constituída uma comissão de avaliação, composta por diferentes organismos, e constituído um regulamento e, neste caso, "nada disto aconteceu".

A providência cautelar, que é contra a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), o Ministério do Ambiente e da Ação Climática e a APDL, foi entregue no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto no final de março.

O causídico revelou ter recebido, entretanto, as resoluções fundamentadas relativamente à providência cautelar, apresentadas pela APA e a APDL, que estão alicerçadas "quase só na matriz económica".

"Como é que a APA, que tutela a salvaguarda das questões ambientais deste país, vem fazer a defesa dos interesses dos particulares nas questões económicas", questionou, para logo acrescentar que "sendo assim, quem defende o ambiente?".

Miguel Santos Pereira explicou que o objetivo das resoluções fundamentadas é fazer com que o ato possa prosseguir até que o tribunal se pronuncie sobre a providência cautelar.

Segundo Miguel Santos Pereira, não se pode "a todo o custo levar para a frente" grandes investimentos independentemente dos danos ambientais que possam causar.

A Associação Negociata - Ninguém Espere Grandes Oportunidades com Investimentos Anti-Ambiente interpôs, igualmente em dezembro de 2019, uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Lisboa para suspender a Avaliação de Impacto Ambiental relativa ao novo aeroporto do Montijo.

+ notícias: Norte

Rui Moreira toma hoje posse para terceiro e último mandato no Porto

O independente Rui Moreira toma hoje posse para o terceiro e último mandato como presidente da Câmara Municipal do Porto e, após ter vencido as autárquicas de setembro sem maioria absoluta, estabeleceu um acordo de governação com o PSD.

Trabalhadores das cantinas do Instituto Politécnico do Porto protestam pela reabertura das empresas

Os trabalhadores das cantinas do Instituto Politécnico do Porto, protestaram pela reabertura das empresas, na passada terça-feira. Em declarações ao Porto Canal, os trabalhadores mostram-se "muito preocupados" porque "não se encontram no desemprego e é difícil suportar todas as despesas no dia a dia".

Militares trabalham num posto da GNR de Matosinhos em perigo de ruína

Cerca de 70 militares trabalham num posto da GNR de Matosinhos em perigo de ruína. Em declarações ao Porto Canal, César Nogueira da Associação de Profissionais da Guarda, espera que "o Ministério da Administração Interna não esteja à espera que aconteça uma tragédia para se resolver a situação da degradação do edifício".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.