Info

Ministra da Coesão Territorial garante execução do IC31 até 2026

Ministra da Coesão Territorial garante execução do IC31 até 2026
| Política
Porto Canal com Lusa

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, garantiu hoje que a ligação entre a Autoestrada 23 (A23), em Alcains, Castelo Branco, e a fronteira nas Termas de Monfortinho (IC31) deverá estar concluída até 2026.

Na Covilhã, a governante explicou que o conjunto de estradas que foram retiradas dos investimentos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) vão ser executadas e já têm financiamento garantido.

"No mesmo dia em que foi aprovado o PRR, e porque já tinham sido anunciados um conjunto de estradas que tiveram de ser retiradas, foi também aprovada uma resolução do Conselho de Ministros que prevê a construção das vias identificadas", explicou a ministra aos jornalistas, à margem da inauguração da Linha da Beira Baixa entre Guarda e Covilhã.

Segundo afirmou, nessa resolução "está previsto não só o valor das vias, mas o calendário" de execução.

Os projetos que deixaram de contar com financiamento do PRR são a ligação entre a Autoestrada 23 (A23), em Alcains, Castelo Branco, e a fronteira nas Termas de Monfortinho (IC31), o novo acesso de Sever do Vouga (distrito de Aveiro) à A25/IP5 (IC35), a ligação ao IP3 dos concelhos a sul, o acesso ao Terminal Ferroviário de Alfarelos e a construção do troço do IC6 entre Tábua e Folhadosa (Seia), passando por Oliveira do Hospital.

"Estamos a falar de um conjunto de vias que perfazem 143 milhões" de euros, sublinhou a ministra da Coesão territorial aos jornalistas.

Relativamente ao IC31, cujo investimento é de 45 milhões de euros, Ana Abrunhosa disse que os anos de 2021 e 2022 são para a execução dos projetos, que incluem estudo de impacto ambiental e eventuais expropriações, prevendo que a obra se concretize até 2026.

"O calendário é muito exigente e ainda bem que este projeto saiu do PRR, porque todas as obras do plano têm de estar mesmo concluídas em meados de 2026", considerou a governante.

Para a ministra da Coesão Territorial, a resolução do Conselho de Ministros tem a vantagem de "identificar a fonte de financiamento" e de já existirem "as autorizações anuais" das Finanças.

"É uma solução muito boa que vai permitir, inclusivamente, que os projetos e as respetivas obras avancem antes do PRR, porque neste momento já temos instrumento legal para iniciar estas vias", frisou.

+ notícias: Política

Rui Moreira diz que PRR vai ser usado como "financiamento à capital"

Rui Moreira diz que PRR vai ser usado como "financiamento à capital"

Marcelo Rebelo de Sousa defende que fundos do PRR têm que ser geridos de forma descentralizada

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República Portuguesa, afirma que é "muito importante" que os fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) seja geridos de forma descentralizada, não deixando de salientar que apenas vai discutir a Regionalização depois das Eleições Autárquicas, mas que a solução pode passar pelo reforço de competências de das CCDR's.

Marcelo não acredita que exploração de lítio na Serra d'Arga vá avançar

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República Portuguesa, disse aos populares, durante a visita a Caminha, que não acredita que a exploração de lítio na Serra d'Arga vá avançar porque o estudo de impacte ambiental foi enviado e não seria um processo fácil de ser conduzido.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m