Info

Autarca de Valongo defende candidatura socialista “de âmbito nacional” no Porto

Autarca de Valongo defende candidatura socialista “de âmbito nacional” no Porto
| Política
Porto Canal com Lusa

O presidente da Câmara de Valongo e candidato do PS nas eleições autárquicas deste ano, José Manuel Ribeiro, defendeu hoje que o partido deve ter no Porto uma candidatura vencedora de "âmbito nacional".

Esta posição foi assumida pelo autarca na reunião da Comissão Política Distrital do PS Porto, que se realizou na terça-feira à noite, e onde foram ratificados, por unanimidade, os nomes dos candidatos a 15 dos 18 concelhos do distrito.

De fora ficaram os concelhos da Maia, Gondomar (por ainda se não ter realizado a Comissão Política Concelhia) e Porto.

"Nós estamos à espera de uma candidatura de dimensão nacional que apareça como vencedora. Porquê? Porque precisamos de uma governação diferente na Câmara do Porto. Precisamos de um Porto aberto à Área Metropolitana", afirmou hoje, em declarações à Lusa.

Reiterando a posição que já havia defendido aquando da sua candidatura à Federação Distrital do PS Porto, em julho de 2020, José Manuel Ribeiro disse considerar que o concelho do Porto "é absolutamente central no contexto metropolitano.

"Não haverá quase nenhum dossier metropolitano que não passe pela Câmara do Porto, só isto é demonstrativo da importância do Governo da cidade, da importância que a Câmara do Porto tem para qualquer projeto metropolitano", disse.

Para o autarca que, foi derrotado por Manuel Pizarro nas eleições para a Distrital do PS Porto, o candidato à segunda maior autarquia do país, tem de ser "um homem ou uma mulher" que "tenha mundo" e que abra o Porto.

Ouvido pela Lusa, o presidente da Federação Distrital do PS Porto, Manuel Pizarro, disse estar confiante que, "como sempre aconteceu, o PS apresentará no Porto uma candidatura capaz de unir o PS, forte e com ambição vencedora".

E acrescentou: "É evidente que uma candidatura ao Porto é sempre uma candidatura de impacto nacional e o que temos de fazer é criar condições para que o diálogo produtivo, que está em curso entre os órgãos concelhios, distritais e nacionais, permita fazer essa escolha".

A imprensa avançou, em março, que o secretário-geral do PS, António Costa, podia ser forçado a intervir na escolha do candidato do PS à Câmara do Porto.

A concelhia e distrital estarão alinhadas no apoio ao eurodeputado Manuel Pizarro, que, a avançar, disputará a Câmara do Porto pela terceira vez.

O secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, estará também a posicionar-se para disputar a presidência da segunda maior autarquia do país.

O deputado Tiago Barbosa Ribeiro e Rosário Gamboa são outros dos nomes apontados, pela imprensa, como possíveis candidatos socialistas ao Porto.

No dia 13 de abril, José Luís Carneiro, confrontado com a possibilidade de avançar com uma candidatura à Câmara do Porto e sobre alegadas divergências nas estruturas socialistas locais, considerou "especulativas" as notícias sobre disputas entre candidatos socialistas, dizendo que o partido apresentará "a seu tempo" uma candidatura que sirva a cidade.

À data, fonte da Comissão Política do PS referiu que o nome do candidato do partido a presidente da Câmara do Porto só será formalizado em maio, depois de concluído um trabalho de concertação política e de definição estratégica a realizar entre a direção nacional, por um lado, a concelhia e a federação do Porto, por outro lado.

A Câmara do Porto é liderada, desde 2013, pelo independente Rui Moreira, que ainda não confirmou a sua recandidatura às eleições autárquica deste outono, que têm de se realizar entre 22 de setembro e 14 de outubro de 2021.

+ notícias: Política

Viagens não essenciais para o Reino Unido permitidas a partir de segunda-feira

As viagens não essenciais de e para o Reino Unido vão ser permitidas a partir das 00:00 de segunda-feira, bastando apresentar um teste negativo para a covid-19 realizado nas 72 horas anteriores, anunciou hoje fonte governamental.

Presidente da República convencido de que orçamentos para 2022 e 2023 vão passar

O Presidente da República declarou-se hoje convencido de que os orçamentos para 2022 e 2023 vão passar e defendeu que por causa da execução dos fundos europeus é "ainda mais fundamental" a legislatura chegar ao fim.

Ana Abrunhosa diz que regionalização não está "infelizmente" no Programa do Governo

A ministra da Coesão Territorial disse hoje que "infelizmente" não está no Programa do Governo fazer a regionalização, mas existe o objetivo de aumentar a descentralização para os municípios e reforçar o poder e a autonomia das regiões.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m