Info

Governo prepara "as mais profundas transformações" na PSP, GNR e SEF

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 abr 2021 (Lusa) -- O ministro da Administração Interna disse hoje que as reformas que o Governo está a fazer na PSP, GNR e SEF são "as mais profundas transformações" realizadas nas forças de segurança "desde há muitos anos".

"O programa do Governo contempla reformas profundas do SEF, PSP e GNR que são as mais profundas transformações nas forças de segurança desde há muitos anos", precisou Eduardo Cabrita aos deputados da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantia.

A forma como vai ser feita a reestruturação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras foi questionada por todos os partidos da oposição, nomeadamente com PSD e CDS-PP a criticarem esta reforma e a exigirem que as mudanças no SEF sejam discutidas na Assembleia da República.

Em resposta aos deputados, Eduardo Cabrita afirmou que a reestruturação do SEF confirma "a separação entre a área policial e a área de relacionamento com os imigrantes".

"A intervenção do Ministério da Administração Interna (MAI) deve concentrar-se naquilo que é a primeira fase de chegada de um cidadão estrangeiro a Portugal. Cabe ao MAI a gestão da política de fronteiras e o acompanhamento de situações de direito de asilo. Nessa medida será o futuro Serviço de Estrangeiros e Asilo a apreciar quer essas pretensões, quer o caso de pedidos de asilo e de proteção internacional", disse.

O ministro adiantou que, após este processo da chegada, a renovação das autorizações de residência "devem ser feitas no mesmo sítio onde todos os cidadãos portugueses" tratam dos documentos, nomeadamente no Instituto dos Registos e Notariado.

"Um cidadão migrante a partir do momento que tem direitos de residência em Portugal vai aos mesmos organismos que qualquer cidadão português, isto é, vai ao registo de notariado, à segurança social, onde tiver de ir tratar dos problemas da sua vida", sustentou, sublinhando que a área policial do SEF será dividida entre a PSP, GNR e Polícia Judiciária.

A resolução que define as orientações políticas para a criação do Serviço de Estrangeiros e Asilo (SEA), que vai suceder ao SEF foi aprovada na passada quinta-feira em Conselho de Ministros.

Eduardo Cabrita admitiu tratar-se de uma matéria complexa que não pode ficar para o final da legislatura.

Perante as críticas do deputado social-democrata André Coelho Lima, o ministro afirmou que sobre as alterações na redistribuição de funções entre forças de segurança gostaria "de saber qual a posição do PSD", considerando que seria "um desafio interessante".

Sobre a partilha de serviços entre a PSP e a GNR, Eduardo Cabrita afirmou que tudo aquilo que é comum nas forças de segurança vai ser partilhado, avançando que a primeira fase de trabalho já está concluída e este ano já se vai concretizar o processamento de vencimentos e compras públicas.

Sem avançar com grandes pormenores, o ministro deu conta aos deputados que a Guarda Nacional Republicana está a organizar-se "segundo o modelo das cinco regiões" e que vai deixar "cair o modelo distrital que hoje é completamente obsoleto".

O governante disse também que a Polícia de Segurança Pública está a reorganizar o modelo de comandos metropolitanos que "são hoje uma coisa híbrida e que não corresponde nem ao distrito, nem à área metropolitana".

CMP // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Viagens não essenciais para o Reino Unido permitidas a partir de segunda-feira

As viagens não essenciais de e para o Reino Unido vão ser permitidas a partir das 00:00 de segunda-feira, bastando apresentar um teste negativo para a covid-19 realizado nas 72 horas anteriores, anunciou hoje fonte governamental.

Presidente da República convencido de que orçamentos para 2022 e 2023 vão passar

O Presidente da República declarou-se hoje convencido de que os orçamentos para 2022 e 2023 vão passar e defendeu que por causa da execução dos fundos europeus é "ainda mais fundamental" a legislatura chegar ao fim.

Ana Abrunhosa diz que regionalização não está "infelizmente" no Programa do Governo

A ministra da Coesão Territorial disse hoje que "infelizmente" não está no Programa do Governo fazer a regionalização, mas existe o objetivo de aumentar a descentralização para os municípios e reforçar o poder e a autonomia das regiões.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m