Info

Sindicato dos Jornalistas pede reunião urgente com Cofina Media sobre despedimento coletivo

| Economia
Porto Canal com Lusa

Redação, 13 abr 2021 (Lusa) -- O Sindicato dos Jornalistas (SJ) informou hoje ter solicitado uma "reunião urgente" à administração da Cofina Media, na sequência do anunciado despedimento coletivo de 26 trabalhadores do grupo, entre os quais seis jornalistas.

Em comunicado, o SJ recorda que, "há apenas quatro anos, o grupo [...] procedeu a um despedimento coletivo de 65 trabalhadores, 30 dos quais jornalistas".

"O SJ manifesta a sua solidariedade com os trabalhadores afetados, estando já a prestar apoio jurídico aos seus associados", refere o sindicato.

Detentora de várias publicações, como o Correio da Manhã, o Record, o Jornal de Negócios, a revista Sábado e a TV Guia, e do canal televisivo CMTV, a Cofina Media contava, em março, com um total de 656 trabalhadores.

A agência Lusa noticiou na segunda-feira que a Cofina Media vai avançar com um despedimento coletivo que envolve 26 postos de trabalho.

Na carta enviada aos trabalhadores visados, a que a Lusa teve acesso, o grupo refere que o processo "implicará a cessação de 26 contratos de trabalho e fundamenta-se em motivos de mercado e estruturais, mais precisamente na redução da atividade da empresa e na consequente necessidade de proceder à reestruturação da sua organização produtiva".

O despedimento afeta a área do tratamento de imagem, onde serão extintos cinco postos de trabalho, abrange ainda cinco revisores, quatro jornalistas, quatro documentalistas, um fotojornalista e um coordenador geral de fotografia.

Serão ainda extintos postos de trabalho na direção comercial.

Na comunicação, a empresa destaca a "profunda crise que afeta o setor" e refere que o grupo Cofina tem vindo a perder volume de negócios, tanto nas vendas de produtos como nas vendas de publicidade.

"Entre 2010 e 2020, as receitas da Cofina caíram 48%, cerca de 65 milhões de euros", sublinha a empresa, acrescentando que a pandemia de covid-19 veio "agravar este contexto".

Além dos resultados financeiros, a empresa refere a "crescente automatização de tarefas" que resultou "num crescente esvaziamento de funções das diferentes equipas afetas às áreas de suporte".

No documento, a Cofina Media recorda que em 2017 fez uma "profunda reestruturação" que afetou as redações das várias publicações, que levou à cessação de 100 contratos de trabalho, entre rescisões por mútuo acordo e despedimento coletivo.

Nessa altura, diz a empresa, ficaram de fora da reestruturação as áreas de suporte, nomeadamente o tratamento de imagem, revisão, documentalistas e fotografia.

PD (DF) // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Sindicato de pilotos denuncia pedidos da TAP para voos em folga

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) denunciou pedidos da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) para que alguns trabalhadores efetuem voos em dias de folga, ao mesmo tempo que afirma ter pilotos em excesso.

Estado não espera perdas com processo de reprivatização da Efacec

O ministro da Economia afirmou hoje que o Estado não espera ter perdas com o processo de reprivatização da Efacec, tendo em conta a indemnização que terá de pagar pela nacionalização e o empréstimo de emergência à empresa em 2020.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m