Info

Ribeira de Pena critica cálculo que põe concelho no vermelho com oito casos

| Norte
Porto Canal com Lusa

Ribeira de Pena, Vila Real, 06 abr 2021(Lusa) -- O presidente da Câmara de Ribeira de Pena considerou hoje injusta a fórmula de cálculo que coloca o município na linha vermelha de risco para a covid-19 com apenas oito casos positivos de infeção pelo novo coronavírus.

João Noronha participou hoje numa reunião com o primeiro-ministro, mas, segundo o autarca, Ribeira de Ribeira de Pena, no distrito de Vila Real, pertence, neste momento, ao grupo de concelhos que apresenta o nível de risco de contágio à covid-19 mais baixo (risco moderado), com seis casos.

António Costa convocou para esta reunião, que decorreu por videoconferência, os presidentes de câmaras dos sete municípios que registaram mais de 240 casos por cem mil habitantes nos últimos 15 dias: Alandroal, Carregal do Sal, Moura, Odemira, Portimão, Ribeira de Pena e Rio Maior.

De acordo com os dados do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Alto Tâmega e Barroso, Ribeira de Pena contabilizava na segunda-feira seis casos ativos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a covid-19.

"Um município com 6.016 inscritos no centro de saúde e que, com oito pessoas, fica no vermelho, é injusto", afirmou João Noronha à agência Lusa.

O autarca criticou a fórmula de cálculo que "prejudica" municípios com pouca densidade populacional e defendeu que cada caso devia ser analisado de forma individual.

"Há que analisar caso a caso, porque uma coisa é haver oito pessoas que não se sabe quem são e outra é saber-se que os casos estão identificados, no nosso caso concreto na obra de construção de uma barragem", salientou.

Na sua opinião, se "houver um surto devidamente controlado, não se pode generalizar ao resto do território".

"Todos somos poucos para controlar esta maldita doença, mas não podemos ser todos penalizados", salientou.

Se o município estiver acima do limiar de risco pode não avançar para a próxima fase de desconfinamento e as regiões limítrofes poderão, também, ser afetadas.

Para o autarca, o desconfinamento é importante para a economia local, comércio, restauração, turismo, e para o bem-estar das populações.

Após a reunião, o primeiro-ministro foi questionado se pode haver um desconfinamento do território continental a várias velocidades, perspetiva que foi por si admitida.

"Temos sempre de analisar caso e caso, porque nem todos correspondem à mesma situação", começou por justificar António Costa, antes de assumir que os índices em vigor, se aplicados de forma absoluta, podem ser penalizadores para municípios de baixa densidade populacional.

O governante anunciou que será reforçada a fiscalização pelas forças de segurança nos municípios com maior incidência de casos de covid-19 e intensificadas as inspeções às condições sanitárias de habitações temporárias de obras ou colheitas.

João Noronha referiu que estas medidas vão ao encontro das preocupação reveladas pelos autarcas e que "são transversais" a estes municípios.

Desde o início da pandemia, Ribeira de Pena contabiliza 511 casos de infeção e 13 óbitos.

Portugal registou hoje duas mortes relacionadas com a covid-19 e 874 novos casos de infeção com o novo coronavírus, o valor mais elevado desde o início de março, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo a DGS, no país morreram 16.887 pessoas dos 824.368 casos de infeção confirmados.

PLI // ACG

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Homem colhido mortalmente por comboio em Famalicão

Um homem foi hoje colhido mortalmente por um comboio em Calendário, Vila Nova de Famalicão, disse fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Braga.

Arrendamento de escritórios cai 17% no Grande Porto em 2020

As áreas arrendadas para escritórios em 2020 diminuíram 29% na Grande Lisboa e 17% no Grande Porto, prevendo a Cushman & Wakefield uma manutenção do abrandamento da procura este ano, com "início de recuperação" no segundo semestre.

Trabalhadores da StatusVoga de novo em protesto por salários em atraso

Os funcionários da empresa que explora cantinas do Instituto Politécnico do Porto (IPP), a StatusVoga, manifestaram-se novamente contra os salários em atraso em frente ao IPP, na manhã desta terça-feira, apurou o Porto canal no local. “Os salários não aparecem, é uma situação insustentável” afirma uma das funcionárias presentes no protesto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m