Info

Concurso para reabilitação da estufa da Lavandeira em Vila Nova de Gaia avança em maio

Concurso para reabilitação da estufa da Lavandeira em Vila Nova de Gaia avança em maio
| Norte
Porto Canal

O concurso para a reabilitação da estufa em ferro fundido localizada no parque da Lavandeira, em Vila Nova de Gaia, será lançado em maio e a intervenção custará meio milhão de euros, indicou hoje o presidente da câmara.

Em causa está uma estufa em ferro fundido, cuja técnica de engenharia é a mesma do antigo Palácio de Cristal, no Porto, que foi demolido.

A estufa pesa 38 toneladas, tem 24 metros de frente, 12 de altura no centro e 12 de fundo.

Hoje, à margem da inauguração da ampliação do parque urbano da Lavandeira, Eduardo Vítor Rodrigues avançou que o projeto está orçado em 500 mil euros e o objetivo “é colocar ali, num espaço histórico, uma cafetaria, bem como um parque botânico que remeta para aquilo que foi a estufa antigamente”.

O parque da Lavandeira, localizado em Oliveira do Douro, foi ampliado recentemente, passando a ter 110 mil metros quadrados.

A ampliação hoje inaugurada corresponde a cerca de mais um terço face ao que antes existia, e a aquisição dos novos terrenos custou 2,4 milhões de euros.

Eduardo Vítor Rodrigues avançou que as intervenções atuais dizem respeito à área da estufa, lago e árvores centenárias, comentando que existem no espaço “tulipeiros únicos” e “árvores que precisam de cinco pessoas para as abraçarem”.

Salvaguardando que “não quer de todo pressionar ou precipitar” a saída de quem para já ainda habita uma casa senhorial localizada no espaço, o autarca apontou para o local a futura Casa da Cultura.

“Não quero que pareça de forma nenhuma que estamos a pressionar a saída. Isto mais do que uma negociação foi uma partilha. Respeitamos completamente as pessoas”, referiu.

Também à margem da cerimónia na Lavandeira, à qual se seguiu uma outra no parque de S. Paio, em Canidelo, Eduardo Vítor Rodrigues garantiu que “no âmbito do PDM [Plano Diretor Municipal] ficam definidos condicionantes que impedem qualquer tipo de construção” junto a estes espaços verdes, bem como junto do de São Caetano (Vilar do Paraíso), cuja intervenção está em curso.

“Estamos a intervir a dois níveis ao construir os parques e ao fazer um reforço da mancha arbórea. Mas nos instrumentos de zonamento deixámos fechada qualquer veleidade que possa existir de futuro de querer fazer uma frente de construção”, concluiu.

Sobre a estufa da Lavandeira, em setembro de 2018, Eduardo Vítor Rodrigues avançou à agência Lusa que em causa estava uma estrutura do século XIX, “uma das duas estufas de ferro fundido que existem na Península Ibérica".

"A família [dona da quinta e da estufa] mostrou-se empenhada e a câmara vê esta aquisição como uma mais-valia tanto simbólica, como histórica e por ampliar um espaço que transmite qualidade de vida", disse então o autarca.

A estrutura foi mandada construída por Silva Monteiro, descrito como um conde que esteve ligado à Associação Comercial do Porto e ao arranque da construção do porto de Leixões, bem como da linha de caminho de ferro Porto/Póvoa de Varzim.

Foi executada pela empresa Fundição de Ouro de Luiz Ferreira Cruz e Irmão e um excerto do jornal O Comércio do Porto, com data de agosto de 1883, descreve que “os rendilhados da cobertura são todos de ferro e de uma leveza tão extraordinária que mais parecem recortes feitos em papel transparente”.

Acrescenta que “o corpo principal é sustentado por quatro arcos, nos quais se observa o mesmo estilo da parte exterior que recorda muito o gótico".

+ notícias: Norte

Homem colhido mortalmente por comboio em Famalicão

Um homem foi hoje colhido mortalmente por um comboio em Calendário, Vila Nova de Famalicão, disse fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Braga.

Arrendamento de escritórios cai 17% no Grande Porto em 2020

As áreas arrendadas para escritórios em 2020 diminuíram 29% na Grande Lisboa e 17% no Grande Porto, prevendo a Cushman & Wakefield uma manutenção do abrandamento da procura este ano, com "início de recuperação" no segundo semestre.

Trabalhadores da StatusVoga de novo em protesto por salários em atraso

Os funcionários da empresa que explora cantinas do Instituto Politécnico do Porto (IPP), a StatusVoga, manifestaram-se novamente contra os salários em atraso em frente ao IPP, na manhã desta terça-feira, apurou o Porto canal no local. “Os salários não aparecem, é uma situação insustentável” afirma uma das funcionárias presentes no protesto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m