Info

Marta Temido e Graça Freitas receberam "tantas farpas e varapaus" que decidiram não aparecer juntas

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 01 mar 2021 (Lusa) - A ministra da Saúde explicou que deixou de aparecer ao lado da diretora-geral da Saúde porque receberam "tantas farpas e varapaus" por estarem sempre juntas que decidiram comunicar separadamente para "não cansar mais os portugueses".

Durante largos meses da pandemia Marta Temido e Graça Freitas foram presenças assíduas nas conferências de imprensa da Direção-Geral da Saúde de atualização dos números da pandemia.

A última conferência de imprensa da Direção-Geral da Saúde decorreu no dia 05 de janeiro, numa altura em que Portugal contabilizava 7.286 mortos associados à covid-19 em 436.579 casos confirmados de infeção, e desde então tem sido a tutela a dar publicamente a informação sobre a situação epidémica no país.

Questionada pela agência Lusa numa entrevista que assinala o aparecimento dos primeiros casos de covid-19 em Portugal, em 02 de março, sobre as razões que levaram ao fim das conferências imprensa conjuntas, a ministra disse que é uma pergunta que lhe fazem muitas vezes, mas que não há nenhuma explicação de zanga ou qualquer outro motivo, apenas porque se cansaram de a ver junta com a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

"Não há nenhuma explicação de zanga, mas recebemos tantas farpas e varapaus por estarmos sempre juntas que optámos por não cansar mais os portugueses", disse, com um sorriso.

Sobre se foram os portugueses que se cansaram, Marta Temido disse não ter essa perceção.

"A própria critica à forma como a comunicação da Saúde era feita, que referia muitas vezes que eram figuras demasiado presentes, demasiado repetitivas, demasiado redundantes, levou a que nós tivéssemos optado por aparecer mais desfasadamente, por comunicar mais separadamente, articulando obviamente, mas por fazer essa alteração apenas de imagem, não de substância", esclareceu Marta Temido.

No início de fevereiro, Graça Freitas foi questionada pelo mesmo motivo, mas desvalorizou, justificando a ausência com uma nova estratégia de comunicação.

"A diretora-geral da Saúde não precisa de aparecer, a diretora-geral da Saúde precisa de trabalhar. E esta foi uma fase em que, do ponto de vista comunicacional, se tomaram outras opções. E eu continuo a trabalhar exatamente como sempre trabalhei", disse Graça Freitas, numa cerimónia que assinalou o arranque do rastreio ao cancro da mama, numa Unidade Móvel da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC).

HN/SO // SB

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Lei Autárquica: autarcas independentes querem a extinção da CNE 

Os presidentes de câmara eleitos em grupos de cidadãos querem a extinção da Comissão Nacional de Eleições. Segundo os autarcas independentes a CNE está a discriminar os movimentos independentes em relação aos partidos.

Operação Marquês: PR diz que "não pode nem deve comentar o que diz respeito ao poder judicial"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, escusou-se hoje a fazer qualquer comentário à decisão instrutória do processo relativo à Operação Marquês, considerando "não pode nem deve comentar o que diz respeito ao poder judicial".

Marcelo concorda com Costa sobre falta de poderes da EMA nas vacinas

O Presidente da República concordou hoje com o primeiro-ministro sobre a necessidade de a Agência Europeia de Medicamento (EMA) ter mais poder para que cada estado não tenha uma posição diferente sobre vacinas contra a covid-19.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Zoom Zoom Z o o m