Info

São Tomé exporta mais óleo de palma que cacau com custos para a biodiversidade

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Redação, 28 fev 2021 (Lusa) -- O produto mais exportado de São Tomé e Príncipe já não é o cacau, mas sim o óleo de palma, resultante de palmeiras plantadas após a destruição de uma floresta que era o habitat de espécies em vias de extinção.

Apesar da sua origem africana, a palmeira que produz o óleo de palma -- hoje utilizado em variadíssimos produtos, incluindo biodiesel, dado o seu baixo custo e adaptabilidade -- existe com maior dimensão na Ásia, nomeadamente Indonésia e Malásia, palco de mais de 80% da produção.

Em 2020, a Indonésia produziu 43,5 milhões de toneladas de óleo de palma e a Malásia 19,5 milhões.

Em São Tomé e Príncipe, a primeira unidade industrial começou a sua produção em dezembro de 2019, com uma capacidade para produzir 10.000 toneladas anuais de óleo de palma, através de uma empresa (Agripalma), com capital belga (88%) e do Estado são-tomense (12%).

Para a criação da Agripalma foi acordada a concessão de 5.000 hectares para o cultivo industrial de palmeira de óleo de palma, estando atualmente ocupados 2.100 hectares.

O presidente da Liga para a Proteção da Natureza (LPN), Jorge Palmeirim, tem acompanhado de perto os estragos ambientais das palmeiras nas florestas de São Tomé e Príncipe, lembrando a sua importância devido às espécies endémicas, como algumas aves, repteis, anfíbios e plantas.

"É lamentável que uma empresa belga se predisponha a destruir floresta preciosa para São Tomé e Príncipe e também para o mundo", disse, receando que esta expansão para territórios africanos aumente.

Atualmente, vários Estados africanos produzem óleo de palma, como a Nigéria, República Democrática do Congo, Gana, Camarões e Costa do Marfim, todos países em desenvolvimento. Angola já foi sondada por empresários para a plantação e o Governo indicou possíveis zonas para tal, como as províncias do Bengo, Benguela, Cabinda, Cuanza Norte e Uíje.

Jorge Palmeirim interpreta esta "tentação africana" dos produtores com o facto de se tratar de países que, de uma forma geral, não têm leis suficientes para proteger o ambiente e também devido às suas vastas dimensões.

"É grave o que estas empresas fazem, mas também a postura da União Europeia que levou à explosão da produção de óleo de palma quando exigiu a adição de biodiesel ao combustível", disse, acrescentando: "Estão a exportar a destruição da biodiversidade".

"Como o óleo de palma é bastante barato, a sua produção avançou, substituindo as florestas húmidas e ocupando os melhores terrenos, como em São Tomé e Príncipe, onde crescem nas zonas planas e de maior biodiversidade".

Jorge Palmeirim reconhece a importância das fontes de rendimento e dos empregos que esta produção tem criado. Só em São Tomé e Príncipe, a Agripalma afirma que criou 793 empregos diretos e indiretos.

"Os países precisam, de facto, de fontes de rendimento e de emprego, mas muitas vezes há alternativas muito melhores do que as que são exportadas", referiu.

"Se a preocupação fosse a criação de emprego estariam focados nas alternativas mais saudáveis e sustentáveis", sublinhou, defendendo um investimento em produções mais amigáveis do ponto de vista ambiental, como o cacau, o produto que sempre liderou as exportações são-tomenses até 2020, quando o óleo de palma o superou.

"A produção de cacau pode ser feita debaixo das copas das árvores e, não sendo inócua, é mais amigável do ponto de vista ambiental e da sustentabilidade, pois não implica a desflorestação", adiantou.

Para Rui Barreira, que coordena a área da conservação da Associação Natureza Portugal (ANP), organização que trabalha com a World Wide Fund For Nature (WWF), o maior ameaça é a desmatação chegar à biosfera daquele país, localizada na ilha do Príncipe, que tem esta classificação da UNESCO devido às espécies únicas que ali vivem.

"Podemos estar perante um crime ambiental, agora que o foco internacional se está a virar para África, pois o sudoeste asiático deixou de ser tão atrativo, conforme já referiu um recente relatório da WWF", disse.

Para Rui Barreira, o impacto da desflorestação a que obriga a produção de óleo de palma em algumas espécies "é brutal", sendo disso exemplo o orangotango, o rinoceronte, elefantes e tigres da Sumatra, que perderam os seus habitats para o palmeiral.

Estima-se que, todos os anos, a biodiversidade associada às monoculturas industriais conduza à morte de 50.000 animais e plantas.

"Vão destruir o pouco que resta das florestas e das melhores florestas de baixa altitude", lamentou, defendendo escolhas responsáveis na altura em que o consumidor adquire um produto, pois o óleo de palma está presente em produtos tão distintos como pizzas, sabonetes, velas, detergentes, bolachas, combustível...

"Os grandes retalhistas mundiais devem garantir que, nas suas cadeias de abastecimento, o óleo de palma que utilizam não provenham destas áreas desmatadas", defendeu.

O biólogo Hugo Sampaio, da Sociedade Portuguesa de Estudo das Aves (SPEA), observa as aves em São Tomé e Príncipe desde 2013, classificando-as como "muito associadas à floresta nativa".

"São aves florestais, precisam da floresta para sobreviverem. Se destruírem este habitat, elas vão desaparecer", disse à Lusa.

A galinhola (Bostrychia bocagei), o anjolô (Neospiza concolor) e o picanço-de-são-tomé (Lanius newtonii) têm em comum serem aves em vias de extinção e viverem em São Tomé e em mais nenhuma outra parte do mundo.

Segundo Hugo Sampaio, as mais ameaçadas são as que vivem dentro da floresta e a galinhola a que "mais sofre" porque está nas terras baixas e mais próximas das áreas concessionadas para a produção de óleo de palma.

"Onde havia muita biodiversidade, inclusive espécies ameaçadas, passou a existir a plantação", lamentou.

Para o biólogo, a produção de cacau e café é menos agressiva para estas aves, porque é feita com floresta de sombra.

"O cacau e o café são produzidos em floresta, que é gerida, reduzindo a densidade de árvores, plantando algumas árvores para dar nutrientes à terra, mas que acaba por ser um habitat florestal muito rico em termos de biodiversidade", disse.

SMM // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Alemanha: Scholz fala de sucesso e apresenta-se como chanceler

O candidato do SPD Olaf Scholz fala de "grande sucesso" e nas eleições hoje na Alemanha e, na sede do seu partido em Berlim, apresentou-se aos jornalistas como "o próximo chanceler alemão".

Alemanha: Conservadores querem formar governo apesar de recuo - Laschet

O líder da União Democrata-Cristã (CDU) e candidato a chanceler, Armin Laschet, afirmou hoje que os conservadores alemães querem formar o próximo governo da Alemanha, apesar do recuo eleitoral previsto nas eleições legislativas.

Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas garantiu que "até ao momento não houve nenhum português que comunicou pedido de ajuda em relação ao Vulcão nas Canárias"

 

A Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, falou, na manhã desta segunda-feira, ao Porto Canal e, disse que "até ao momento nenhum Português comunicou pedido de ajuda em relação à erupção vulcânica nas Canárias". A Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, acrescentou ainda que "existem oito portugueses nos três municípios afetados pela erupção vulcânica".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.