Covid-19: Viseu Dão Lafões pede ao Governo para reanalisar funcionamento das escolas

| Norte
Porto Canal com Lusa

Tondela, Viseu, 20 jan 2021 (Lusa) -- A Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões pediu hoje ao primeiro-ministro uma reanálise do funcionamento das escolas com o objetivo de colocar os alunos do terceiro ciclo, secundário e superior no ensino à distância.

"Entenderam os autarcas remeter uma comunicação ao senhor primeiro-ministro, no sentido de solicitar uma reanálise sobre o modelo de funcionamento das escolas, em particular sobre a possibilidade de ocorrer o ensino à distância para alunos do terceiro ciclo, do ensino secundário e superior, enquanto os rácios de crescimento da pandemia tiverem estes indicadores", revela um comunicado de imprensa enviado à agência Lusa.

A decisão saiu de uma reunião esta terça-feira, na sede da CIM, em Tondela, na qual realizaram uma "análise profunda, sobre o preocupante momento que se vive, tendo em conta um crescimento gravíssimo de casos covid-19 nos últimos dias".

"Com particular incidência nas ERPI [Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas], além de diferentes surtos espalhados pela comunidade, sendo que 13 dos seus 14 municípios associados estão classificados no risco extremamente ou muito elevado", refere.

Em causa, defendem os autarcas, está também o Centro Hospitalar Tondela-Viseu (CHTV), que "atingiu o seu limite, tendo sido já ativado o Hospital de Campanha", localizado no Fontelo, em Viseu.

"Entende o Conselho Intermunicipal que a permanência do funcionamento das escolas no modelo presencial em nada contribui para atenuar a mobilidade permanente de pais, professores, alunos e outros profissionais", refere.

Esta mobilidade, defende a CIM, "não concorre para o espírito de confinamento, sendo que ainda acresce que muitas destas deslocações são realizadas para fora dos seus concelhos de residência".

Os 14 autarcas defendem que o rastreio epidemiológico "é crucial para estancar as cadeias de contágio" e, nesse sentido, pediram ao Governo "um reforço imediato das diferentes equipas de saúde pública", uma vez que as atuais "estão exaustas e não têm recursos humanos para poderem acompanhar, com a celeridade que se impõe, o número crescente de casos".

Na missiva dirigida a António Costa defende-se que "é imperioso que as forças de segurança tenham um conhecimento atempado das situações em confinamento para melhor auxiliarem nessa missão", uma vez que, "com dias de desfasamento, não se conseguem os objetivos pretendidos e que se impõem".

Neste sentido, a CIM Viseu Dão Lafões "lamenta que não sejam dados a conhecer, ao responsável máximo da proteção civil municipal, os casos em concreto, para que, mais rapidamente, os serviços municipais de proteção civil, assim como os serviços sociais de cada um dos municípios, possam prestar o devido apoio e acompanhamento aos cidadãos".

A CIM Viseu Dão Lafões é constituída por 14 municípios, um do distrito da Guarda, Aguiar da Beira, e os restantes do distrito de Viseu: Carregal do Sal, Castro Daire, Mangualde, Nelas, Oliveira de Frades, Penalva do Castelo, São Pedro do Sul, Santa Comba Dão, Sátão, Tondela, Vila Nova de Paiva, Viseu e Vouzela. 

IYN // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Póvoa de Varzim: Autarcas recebem envelopes com bala e ameaças de morte 

O presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, e o seu vice-presidente, Luís Batista, receberam esta terça-feira um envelope com duas balas no interior, revelou a autarquia em comunicado. Em causa está o início da demolição da desativada Praça de Touros da cidade.

The Times destaca Matosinhos, "um segredo na costa Norte de Portugal"

Vista como “o local secreto da costa do norte de Portugal”, a cidade de Matosinhos foi destacada na célebre revista “The Times”, que refere a grande indústria piscatória que a cidade acolhe e a imensa quantidade e qualidade de restaurantes que oferece.

Disponibilizados 5 ME para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática disse terça-feira que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros (ME) para ações de emergência na área ardida da serra da Estrela.