Covid-19: BE quer clareza do Governo e todos os hospitais sob alçada do SNS

| Política
Porto Canal com Lusa

Évora, 18 jan 2021 (Lusa) -- A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) disse hoje esperar que o Conselho de Ministros "seja claro" sobre o confinamento e encerramentos, face à covid-19, e defendeu que "todos os cuidados de Saúde" fiquem sob alçada do SNS.

"Espero que este Conselho de Ministros seja claro sobre instruções de confinamento e de encerramento", afirmou Catarina Martins, em Évora, após reunir-se com a direção do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Alentejo Central.

Questionada pelos jornalistas sobre o Conselho de Ministros extraordinário de hoje, a dirigente do BE frisou também esperar que, da reunião, saiam orientações para "colocar todos os cuidados de Saúde, incluindo social e privado, sob a alçada do Serviço Nacional de Saúde (SNS)".

Uma medida necessária "para que as instituições tenham instruções claras de cooperação", para permitir "dar conta do que é prioritário, 'covid' ou 'não covid'", ao invés de cada instituição andar "a fazer o que lhe apetece".

"Nós não podemos estar cada um a remar para o seu lado. Temos de estar todos a remar para o mesmo lado, que é garantir cuidados de saúde prioritários, sejam 'covid' ou 'não covid', a toda a população, em todo o território e seja que idade tenha", defendeu.

O governo reúne-se hoje em conselho de ministros extraordinário, devendo aprovar novas medidas relacionadas com o confinamento devido à covid-19, disse à Lusa fonte do executivo.

No domingo, o Presidente da República admitiu um agravamento de medidas, considerando que o confinamento não está a ser levado a sério.

Portugal contabilizou no domingo 152 mortes relacionadas com a covid-19 e 10.385 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, morreram 8.861 pessoas dos 549.801 casos de infeção confirmados em Portugal, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

RRL // FPA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Rangel diz que caso de Sérgio Figueiredo é mais um "tique de absolutismo" do PS. Bloco de Esquerda e PCP dão o tema por encerrado

O vice-presidente do PSD lamenta o silêncio do ministro das Finanças enquanto evoluía a polémica à volta da contratação de Sérgio figueiredo para o seu ministério. Paulo Rangel denuncia ainda o facto de o contrato permanecer secreto e chama a este caso o primeiro-ministro António Costa. Já Bloco de Esquerda e PCP dão o caso por encerrado, ao contrário do Chega que ainda espera explicações do gioverno. 

PSD diz que incêndios "são problema político" a que Governo não dá "resposta à altura"

O PSD considerou esta quarta-feira que os incêndios são "um problema político" ao qual António Costa e o PS "não sabem, não estão a dar, uma resposta à altura" e acusou o Governo de ser "especialista em desresponsabilizar-se".

Ministro das Finanças lamenta não poder contar com "valioso contributo" de Sérgio Figueiredo

O ministro das Finanças, Fernando Medina, lamentou hoje "não poder contar com o valioso contributo de Sérgio Figueiredo ao serviço do interesse público", após a renúncia do antigo diretor de informação da TVI ao cargo de consultor do ministro.