Info

Covid-19: Madeira com recolher obrigatório de segunda a sexta entre as 19:00 e as 05:00

| País
Porto Canal com Lusa

Funchal, Madeira, 11 jan 2021 (Lusa) - O Governo da Madeira aprovou hoje o recolher obrigatório de segunda a sexta-feira entre 19:00 e as 05:00 e a suspensão das aulas presenciais no 3.º ciclo e no secundário entre quarta-feira e 31 de janeiro.

O executivo regional decidiu manter em vigor, também no âmbito das medidas de contenção da pandemia de covid-19, o recolher obrigatório aos fins de semana entre as 18:00 e as 05:00, anunciado na semana passada.

"Até ao dia 31 de janeiro todas as atividades de natureza industrial, comercial e de serviços na Região Autónoma da Madeira manter-se-ão em funcionamento com os devidos condicionamentos, mas terão, imperativamente, de encerrar às 18:00 durante os dias da semana", anunciou o presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, numa comunicação aos jornalistas.

O chefe do executivo, de coligação PSD/CDS-PP, disse que as novas restrições resultam do aumento do número de casos de covid-19 nos últimos dias, associado à variante do vírus detetada no Reino Unido, que colocou alguns concelhos da região em situação de risco elevado.

De acordo com os dados mais recentes, a Região Autónoma da Madeira, com cerca de 260 mil habitantes, regista 20 óbitos associados à covid-19 - duas ocorridas hoje - e um total de 1.201 casos ativos, dos quais 158 são importados e 1.043 de transmissão local.

DC // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Portugal regista mais 2898 casos de Covid-19 e mais 13 mortes nas úlltimas 24h

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 2.898 casos confirmados de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e 13 mortes atribuídas à covid-19, bem como mais 75 pessoas internadas com a doença, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Portugueses retidos em Marrocos pedem voo de repatriamento 

Depois do fecho das fronteiras de Marrocos, várias dezenas de portugueses ficam retidos e, segundo apurou o Porto Canal, pedem um voo de repatriamento. Em declarações ao Porto Canal, os portugueses retidos tentam encontrar soluções, mas muitas delas com custos insuportáveis.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.